“Reforma” não, revolução

Já se passaram 500 anos desde a revolução de Lutero. Não é mais tempo de polêmica, mas de entendimento e reconciliação. Mas nunca à custa da verdade e do que realmente nos revela a história.

Resultado de imagem para luteroHá uma grande confusão hoje em dia no que diz respeito à figura de Lutero, e convém deixar claro que, do ponto de vista da teologia dogmática e da doutrina da Igreja, ele foi responsável, não por uma reforma, mas por uma revolução, isto é, uma mudança total dos fundamentos da fé católica. Tampouco seria realista afirmar que sua intenção tenha sido apenas a de lutar contras alguns abusos no uso das indulgências ou contra os pecados da Igreja da Renascença. Abusos e pecados, sempre os houve dentro da Igreja, não só durante o Renascimento, mas ainda nos dias de hoje. Constituímos a Santa Igreja em virtude da graça de Deus e dos sacramentos, mas todos os homens pertencentes a ela são pecadores, todos precisam de perdão, de arrependimento, de penitência.

Esta distinção é muito importante. Em seu livro de 1520, De Captivitate Babylonica Ecclesiæ, aparece com absoluta clareza que Lutero renunciou a todos os princípios da fé católica, da Sagrada Escritura, da Tradição apostólica, do magistério do Papa e dos Concílios, do episcopado. Nesse sentido, Lutero destruiu o conceito de desenvolvimento homogêneo da doutrina cristã, tal como explicado na Idade Média, e chegou a negar os sacramentos como sinais eficazes da graça neles contida, substituindo essa eficácia objetiva por uma fé subjetiva. Lutero aboliu cinco sacramentos e, além disso, negou a Eucaristia: o seu caráter sacrificial e a conversão real da substância do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Jesus Cristo. E não só isso. Afirmou que o sacramento da ordem, tanto episcopal quanto presbiteral, é uma invenção do Papa — para ele, o Anticristo —, e não parte da Igreja de Jesus Cristo. Nós, porém, cremos que a hierarquia sacramental, em comunhão com o sucessor de Pedro, é um elemento essencial da Igreja Católica, e não apenas o princípio de uma organização humana.

É por isso que não podemos aceitar que a reforma de Lutero seja entendida como uma reforma da Igreja, em sentido católico. Só é católica a reforma que significa uma renovação na graça e nos costumes da fé de sempre, uma renovação espiritual e moral dos cristãos, e não uma “refundação”, uma “nova” Igreja.

É, portanto, inaceitável afirmar que a reforma de Lutero tenha sido “um evento do Espírito Santo”. Ao contrário, foi algo contra ele, pois o Espírito Santo auxilia a Igreja a preservar sua continuidade por meio do Magistério eclesiástico, sobretudo pelo serviço do ministério petrino. Foi apenas sobre Pedro que Jesus fundou sua Igreja(cf. Mt 16, 18), a qual é “a Igreja do Deus vivo, coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm3, 15). O Espírito Santo não se contradiz a si mesmo.

São muitas as vozes que se levantam, entusiasmadas, para falar de Lutero, mas desconhecendo qual foi exatamente a sua teologia, a sua polêmica e as drásticas consequências de um movimento que representou a destruição da unidade de milhões de cristãos com relação à Igreja Católica. Podemos avaliar de modo positivo a sua boa vontade, sua explicação lúcida dos mistérios da fé comum, mas não suas investidas contra a fé católica, sobretudo no que se refere aos sacramentos e à estrutura hierárquico-apostólica da Igreja.

Também não é correto afirmar que Lutero teve inicialmente boas intenções, como se o responsável por seu desvio tenha sido a postura rígida da Igreja. Isso não é verdade. Com efeito, Lutero pretendia combater, sim, o comércio de indulgências, devido, não às indulgências em si mesmas, mas enquanto elemento do sacramento da Penitência.

Tampouco é verdade que a Igreja se tenha recusado a dialogar. Depois de sua disputa com John Eck, Lutero teve a chance de falar ao Cardeal Caetano, enviado pelo Papa a título de legado. Podem-se discutir modos e procedimento; mas, quando se trata da substância mesma da doutrina, é preciso reconhecer que a autoridade da Igreja não cometeu erro algum. Do contrário, dever-se-ia sustentar que a Igreja pôde ter ensinado erros quanto à fé ao longo de dois mil anos, quando sabemos — e este é um elemento essencial da doutrina — que a Igreja não pode errar na transmissão da salvação mediante os sacramentos.

O Cardeal Gerhard Ludwig Müller, Prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Não se devem confundir erros pessoais, os pecados dos membros da Igreja, com erros na doutrina e nos sacramentos. Quem assim pensa, crê que a Igreja é somente uma organização feita de homens e nega o princípio segundo o qual Jesus mesmo fundou a sua Igreja e a protege na transmissão da fé e da graça sacramental através do Espírito Santo. A Igreja não é uma organização meramente humana; é o próprio Corpo de Cristo, onde existe a infalibilidade conciliar e papal de um modo precisamente definido. Todos os Concílios se referem à infalibilidade do Magistério quanto à definição da fé católica. Em meio à confusão atual, há muitos que pretendem solapar a realidade: dizem que o Papa é infalível quando fala em privado, ao mesmo tempo em que dizem ser falíveis os Papas que propuseram publicamente a fé católica ao longo da história.

Sim, já se passaram 500 anos. Não é mais tempo de polêmica, mas de entendimento e reconciliação. Mas não à custa da verdade. Não se deve agravar a confusão. Ora, se devemos, por um lado, reconhecer a eficácia do Espírito Santo nos cristãos não-católicos de boa vontade, que não cometeram pessoalmente esse pecado de ruptura com a Igreja, não podemos, por outro, alterar a história do que se passou há 500 anos. Uma coisa é o desejo de manter boas relações com os cristãos não-católicos de hoje, a fim de os aproximar da plena comunhão com a hierarquia católica e com a aceitação da Tradição apostólica segundo a doutrina da Igreja; outra coisa é a incompreensão ou a falsificação do que ocorreu 500 anos atrás e do impacto desastroso que se lhe seguiu. Impacto, aliás, contrário à vontade de Deus: “Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste” (Jo 17, 21).

Via: https://padrepauloricardo.org/blog/reforma-nao-revolucao?utm_content=buffer4f3f6&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer

Anúncios

10 santas amizades que vale a pena imitar

Um amigo fiel “não tem preço, e o seu valor é incalculável, é remédio que cura, e os que temem ao Senhor o encontrarão”, diz a Bíblia no capítulo 6 do livro de Eclesiástico.

Esses santos descobriram esse tesouro e testemunharam ao mundo que é possível ter uma amizade bonita, fecunda e centrada no Senhor. A seguir, apresentamos 10 belas amizades de santos na história da Igreja.

1. São Francisco e Santa Clara de Assis

A amizade desses dois santos italianos é uma das mais conhecidas na Igreja Católica.

Quando São Francisco de Assis conheceu Santa Clara, tomou a decisão de “retirar do mundo malvados tão precioso dom para enriquecer com ele o seu Divino Mestre”. Em 1212, a jovem fugiu da sua casa para consagrar-se a Deus na igreja de São Damião e prometeu obedecer Francisco em tudo.

Logo depois, ela fundou a Ordem das clarissas e cuidava dos doentes que Francisco lhe enviava. Em 1225, atendeu o seu amigo, que sofria devido aos estigmas e cuja saúde havia piorado.

Francisco, antes de morrer em 1226, enviou uma mensagem de encorajamento a Santa Clara para que não desanimasse com a sua partida.

2. São João Paulo II e Santa Teresa de Calcutá

A amizade entre o Papa polonês e a fundadora albanesa das Missionárias da Caridade é uma das que mais comove os fiéis na atualidade. São João Paulo II costumava chamá-la de “Minha mãe”.

O Papa peregrino desenvolveu a sua vocação religiosa em meio à guerra e ao comunismo, enquanto ela descobriu o seu chamado a servir os mais necessitados em Calcutá, uma das cidades mais pobres da Índia.

Santa Teresa de Calcutá o visitou várias vezes no Vaticano e em 1986 o Pontífice viajou à Índia, onde conheceu o asilo “Nirmal Hriday” (Sagrado Coração) que ela fundou. A religiosa expressou que este era “o dia mais feliz” da sua vida.

3. São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac

O principal motor da vida destes santos franceses foi a caridade. Aos 36 anos, São Vicente de Paulo sentiu o chamado a servir os pobres.

Decidiu fundar a Congregação da Missão (Vicentinos) para evangelizar os mais necessitados e trabalhar na formação do clero.

Alguns anos depois, conheceu uma corajosa e determinada viúva chamada Luísa de Marillac. O santo decidiu dar-lhe uma formação espiritual e juntos fundaram em 1633 a Companhia das Filhas da Caridade.

4. Santa Teresa do Menino Jesus e Santa Elisabete da Trindade

Santa Teresa de Lisieux e Santa Elisabete da Trindade foram duas religiosas carmelitas francesas cuja amizade se baseava em sua profunda vida espiritual.

Elas se conheceram no Carmelo de Dijon, localizado no leste da França. Elisabete, conhecida como a “irmã espiritual” de Santa Teresa, escreveu diversos livros sobre a Santíssima Trindade.

Ambas desejavam fervorosamente chegar ao céu e estar junto com o seu amado Jesus. Elas morreram antes de completar 30 anos de idade. Santa Teresa de Lisieux faleceu em 1897 e a sua amiga morreu nove anos depois.

5. Santa Rosa e São Martinho de Lima

Estes são os dois santos mais importantes do Peru e se tornaram conhecidos pelo seu testemunho de humildade e serviço aos mais necessitados. Segundo a tradição, ambos foram batizados na igreja de São Sebastião, com dois anos de diferença, e receberam o sacramento da Crisma das mãos de Santo Toríbio de Mogrovejo, o segundo Arcebispo de Lima.

Ambos cresceram em amizade enquanto atendiam os doentes e escravos da cidade. Além disso, pertenciam à ordem dos dominicanos. Santa Rosa de Lima era terciária, enquanto São Martinho era religioso.

6. Santo Inácio de Loyola e São Francisco Xavier

Estes dois santos espanhóis se conheceram na Universidade de La Sorbona em Paris, França. Santo Inácio de Loyola tinha aproximadamente 33 anos quando seu discípulo São Pedro Fabro o apresentou a São Francisco Xavier.

A princípio, Francisco considerou Inácio antipático, porque sempre repetia a frase de Cristo: “Que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”. Pouco a pouco, o jovem deixou de lado a sua vaidade e fez os exercícios espirituais criados pelo fundador da Companhia de Jesus (Jesuítas).

Em 1540, o Papa Paulo III aprovou a criação da Ordem e Santo Inácio foi escolhido como seu primeiro Superior Geral, enquanto São Francisco Xavier partiu como missionário para Índia e Japão.

7. Santa Teresa d’Ávila e São João da Cruz

Teresa era uma jovem sonhadora e determinada quando fez seus votos no Carmelo, em 1536, aos 21 anos de idade. No Carmelo, percebeu que as carmelitas na Espanha e em outros lugares tinham diminuído e se converteram em um centro social para todos os que desejavam uma vida fácil e relaxada.

Quando começou a encontrar os novos conventos carmelitas, conheceu um jovem frade chamado João e depois de entrevistá-lo, convidou-o a fazer parte da reforma do Carmelo a fim de revitalizar o carisma original de pobreza e da oração.

Esses amigos também escreveram lindos poemas que são baseados em suas provações e alegrias espirituais. O mais conhecido de Santa Teresa d’Ávila é “Nada te turbe” e de São João Cruz é “A noite escura da Alma”.

8. São João Bosco e São Domingos Sávio

Após ser ordenado sacerdote em 1841, São João Bosco criou um oratório onde reuniu centenas de jovens para formá-los. Naquela época, um sacerdote o apresentou a um menino chamado Domingos. O santo ficou impressionado com a vida espiritual e a alegria do menino. Por isso, decidiu acolhê-lo e tornou-se seu diretor espiritual.

Em uma noite, Dom Bosco o encontrou tremendo de frio na cama e coberto apenas com um lençol. Quando chamou a atenção de São Domingos Sávio, o menino brincou dizendo: “Nosso Senhor não pegou nenhuma pneumonia no estábulo em Belém”.

Domingos morreu em 1857. Dois anos depois, Dom Bosco fundou a Ordem dos Salesianos junto com um grupo de jovens.

9. São Cornélio e São Cipriano

O Papa São Cornélio e o Bispo de Cartago, São Cipriano, testemunharam sua fé durante a perseguição que sofreram por parte do Império Romano.

Este Pontífice enfrentou o sacerdote Novaciano, que proclamou a heresia de que a Igreja Católica não tinha o poder para perdoar os pecados. O santo o enfrentou e foi apoiado neste debate pelo seu amigo São Cipriano.

São Cornélio foi enviado ao exílio e morreu decapitado em 253. Por sua parte, São Cipriano foi martirizado da mesma maneira cinco anos depois.

10. Santas Felicidade e Perpétua

Perpétua era uma jovem mãe de 22 anos, de família rica e Felicidade era a sua escrava. Elas foram presas por serem cristãs.

Na prisão, Felicidade deu à luz a uma menina e os cristãos ajudaram para que Perpétua pudesse permanecer com seu bebê durante os seus últimos dias de vida.

Receberam a comunhão antes de serem jogadas a uma vaca selvagem e morrer decapitadas em 203. Os cristãos criaram a filha da Felicidade, enquanto as tias e a avó de Perpétua foram responsáveis ??pela educação do seu filho.

 

Via ACI Digital

Arcebispo autoriza abertura de processo de beatificação de Pe. Léo

Segundo ACI(26/09/17), mais um brasileiro segue a caminho dos altares, após o Arcebispo de Florianópolis (SC) autorizar o pedido de abertura do processo de beatificação de Padre Léo, fundador da Comunidade Bethânia.

O anúncio foi feito nesta terça-feira pela Comunidade Bethânia, que publicou em seu site e página de Facebook uma nota sobre o processo de Beatificação do Padre Léo, assinada por Padre Vicente de Paula Neto, presidente da comunidade.

“Conforme trajeto formal e necessário, formulado pela Mãe Igreja, foi apresentado ao Arcebispo de Florianópolis, D. Wilson Tadeu Jönck, por parte da Comunidade Bethânia o pedido de abertura do processo de Beatificação do Pe. Léo”, informa a nota.

Segundo o comunicado, o Prelado “acolheu, autorizou e incentivou o trabalho nesta direção indicando os passos seguintes”.

A Comunidade informa ainda que “por estes dias ainda será acordado com um ‘Postulador da Causa de Beatificação’ os passos para a abertura formal do processo e a continuidade do mesmo” e que os detalhes serão anunciados em breve..

“Convocamos a todos para que rezem nesta intenção”, completa a nota.

 

Quem foi Pe. Léo?

Em uma autodefinição destacada pelo site da Comunidade Bethânia, Pe. Léo afirmou: “Sou um sujeito que desde criança quis ser padre; e muito pobre, tentei ir para o seminário, mas não fui aceito. Então fui trabalhar até conseguir ter roupas suficientes, fazer meu enxoval”.

“Fui para o seminário com 21 anos. Tinha namorada, fui noivo, e descobri a Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, que é o que eu tento viver: Quero ser um homem do Coração de Jesus. Vivo no meio de jovens drogados, prostituídos, aidéticos. Tento ser um deles e eles me ensinam muito”.

Tarcísio Gonçalves Pereira, que posteriormente ficou conhecido como Pe. Léo, nasceu em 9 de outubro de 1961, em uma família humilde de Delfim Moreira (MG), no vilarejo de Biguá, local que veio a ser muito citado pelo sacerdote em suas pregações.

Era o nono filho Joaquim Mendes Pereira e Maria Nazaré Guimarães. Como ele mesmo contou, antes de ingressar no seminário, trabalhou muito, tendo atuado como torneiro mecânico e também em uma fábrica de armas.

Foi em 1982 que ingressou no seminário da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, em Lavras (MG). Fez seu noviciado em Jaraguá do Sul (SC), cursou Filosofia em Brusque (SC) e concluiu Teologia em Taubaté (SP).

Foi ordenado sacerdote em 1990 e, em 1995, fundou a Comunidade Bethânia, que tem como carisma o acolhimento de pessoas marginalizadas, dependentes químicos e vítimas da prostituição.

“Por meio desta comunidade, Pe. Léo nos ensinou a olhar o ser humano integralmente, em suas dimensões física, psico-afetiva e espiritual”, assinala o site da comunidade.

O sacerdote também teve ampla atuação na Renovação Carismática Católica (RCC), participante de vários eventos que atraiam multidões para ouvir suas pregações.

“Com seu jeito alegre e irreverente de ser, apaixonado pela Sagrada Escritura, utilizava-se de exemplos concretos e simples do dia a dia para chegar aos corações mais endurecidos. Utilizava linguagem simples, de fácil compreensão que prendia a atenção do ouvinte e ao mesmo tempo o convidava a uma experiência íntima com a pessoa de Jesus”, acrescenta o site.

Pe. Léo também atuou nos meios de comunicação, tendo publicado 27 livros e conduzido programas de televisão na Associação do Senhor Jesus e na Comunidade Canção Nova.

Em 4 de janeiro de 2007, partiu para a Casa do Pai, vítima de um câncer no sistema linfático.

Entretanto, mesmo quando estava doente, não deixou de lado sua missão evangelizadora. Em 2006 fez a sua última pregação no Hosana Brasil, da Comunidade Canção Nova, com o tema “Buscai as coisas do alto”.

Na ocasião, disse: “Quer ser feliz? Busque as coisas do Alto. Esta é a grande palavra que Deus trouxe ao meu coração neste tempo. A doença me tirou tudo: não consigo mais andar sozinho, não enxergo direito. Estou cego do olho direito e vejo apenas cerca de 40% com o olho esquerdo. Mas veio ao meu coração: ‘Ai de mim se eu não evangelizar’ (1 Coríntios 9,16b)”.

 

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/ultimo-minuto-arcebispo-autoriza-abertura-de-processo-de-beatificacao-de-pe-leo-26628/

Via: Site Cleofás

Vou casar novo!

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, óculos e atividades ao ar livreVou casar novo, casarei com menos de 30 anos mas com a alegria e o entusiasmo de uma criança.

Olha o “risco”: Me casarei sem um emprego público e a tal da “estabilidade financeira “, em tempos de “crise econômica/política “, com uma pessoa que não estará formada. Pra sociedade atual é um risco,não é a hora! Pergunta se eu ligo…

Chega um ponto do seu relacionamento que não dá mais pra namorar apenas, é amor demais, vive-se uma vontade incontrolável de fazer o outro mais feliz.

Nos casaremos no auge da nossa juventude e aos poucos vamos aprender a ser jovens mesmo quando o espelho disser o contrário.

Espero ser um pai jovem (tiozão) e acumular muitas histórias pra contar aos meus filhos. Espero ser um homem de Deus pra que minhas filhas não percam a fé na humanidade. Espero ser um esposo dedicado, companheiro, batalhador e honesto.

Será a realização de um sonho antigo, sempre quis casar! Como será? Sei de pouco, sonho muito e o que mais me motiva é o desejo em fazê-la feliz e construir uma FAMÍLIA. Nossa Sagrada Família.Me emociono só de imaginar como será (mesmo eu não sabendo). Submissão, brigas, amor, dificuldades, fé, felicidade, Viagens, crises… Resumindo: alguém que Deus envia pra dividir uma vida real. Conto de fadas não!

Se você está solteiro: entregue seu coração para Deus. Se está namorando: aproveite essa fase com respeito e dedicação ao outro. Pra você que é noivo: confie na Providência Divina. E pra você que é casado: meus parabéns, admiro sua coragem e busque em Deus as forças para encarar essa missão tão maravilhosa! Dedique-se ao outro! ❤️

(Lucas Medrado)

O Brasil está se decompondo por falta de Deus

Resultado de imagem para brasil oraçãoO Brasil só vai mudar de situação pelo derramamento do Espírito Santo. Apenas intervenções sociais e políticas não vão resolver. É claro que precisamos dessas intervenções, mas, para que o país dê uma reviravolta, como é necessário, só pelo Espírito Santo.

Jesus estava na Festa dos Tabernáculos, que os judeus celebram até hoje passando 40 dias em tendas. Para eles, essa festa não é somente uma recordação, mas um reviver, um memorial daquilo que eles viveram nos 40 anos no deserto, em direção à Terra prometida.

No último dia da festa, Jesus, com tanta ousadia, escolhe o lugar mais alto e grita: “Se alguém tem sede, venha a mim e bebaQuem crê em mim, do seu interior correrão rios de água viva” (Jo 7,37). Imagine o impacto que aconteceu naquele povo.

Jesus, a partir do batismo no rio Jordão, foi sendo conduzido pelo Espírito Santo, já não fazia mais nada por si mesmo. Ele, o Filho de Deus, sujeitou-se em tudo para que nós entendêssemos que isso também é para nós.

A nossa nação está se consumindo, estragando-se, e eu tenho a ousadia de dizer que está apodrecendo. E como sanar tudo isso? Por essa palavra que Jesus nos trouxe neste Evangelho: quem vê que tudo isso precisa mudar, venha a mim e beba, e do seu coração correrão rios de água viva.

Não estamos falando de santos e perfeitos, mas de todos que creem em Jesus.

Meus irmãos, a nossa nação, nossas instituições, só vão mudar pelo Espírito Santo. Se não tivermos, cada vez mais, homens e mulheres cheios do Espírito Santo, a coisa não vai melhorar.

Nós recebemos o Espírito para levá-lo aos outros. É o Senhor quem batiza, mas quem precisa falar d’Ele somos nós, quem precisa orar pelas pessoas somos nós. Você não precisa ser uma pessoa perfeita, mas apenas acreditar em Jesus. O Espírito Santo nos traz os dons próprios dele, para que os usemos em favor dos nossos irmãos.

O mundo está se decompondo por falta de Deus. As nações estão se perdendo por falta d’Ele. Ele nem faz mais parte da vida das pessoas que vivem em função deste mundo. É como se dissessem: “Nós temos tecnologia suficiente para conduzir o mundo, não precisamos de Deus”. Nos tempos antigos, cada um escolhia seu deus para cultuar, é isso que acontece hoje também.

O Brasil pode e precisa ser um celeiro de evangelização, porque somos cheios do Espírito Santo. O Brasil só vai mudar de situação pelo derramamento do Espírito Santo.

Deus o abençoe!

Via: Monsenhor Jonas Abib

A morte de São José: misteriosa, mas a mais sublime que se pode imaginar

Pode haver melhor passagem para a vida eterna do que entre os braços de Jesus e de Maria?

morte-de-sc3a3o-josc3a9Não há registros documentais da morte de São José, mas é comumente aceito que ele faleceu antes do início da vida pública de Jesus.

Nos primeiros séculos da Igreja, conforme narra Isidoro de Isolanis, costumava-se ler nas igrejas do Oriente, todo dia 19 de março, uma narração solene da morte do pai adotivo do Filho de Deus:

“Eis chegado para São José o momento de deixar esta vida. O Anjo do Senhor lhe apareceu e anunciou ter chegado a hora de abandonar o mundo e ir repousar com seus pais. Sabendo estar próximo o seu último dia, quis ele visitar, pela última vez, o Templo de Jerusalém, e lá pediu ao Senhor que o ajudasse na hora derradeira.

Voltou a Nazaré e, sentindo-se mal, recolheu-se ao leito, agravando-se em breve o seu estado. Entre Jesus e Maria, que o assistiam com carinho, expirou suavemente, abrasado no Divino Amor.

Oh, morte bem-aventurada! Como não havia de ser doce e abrasada no Divino Amor a morte daquele que expirou nos braços de Deus e da Mãe de Deus?

Jesus e Maria fecharam os olhos de São José.

E como não havia de chorar Aquele mesmo Jesus que choraria sobre a sepultura de Lázaro? ‘Vede como ele o amava!’, disseram os judeus. São José não era tão só um amigo, mas um pai querido e santíssimo para Jesus”.

A Igreja, que venera com carinho este santo de tão grande devoção dos cristãos, o reconhece como o padroeiro da boa morte.

Pode haver, afinal, melhor passagem para a vida eterna do que entre os braços de Jesus e de Maria?

Fonte: http://pt.aleteia.org/2016/01/18/a-morte-de-sao-jose-misteriosa-mas-a-mais-sublime-que-se-pode-imaginar/

Um Reino, uma vinha, um salário…

“O Reino do Céus é semelhante ao pai de família que saiu de manhã cedo para contratar trabalhadores para a sua vinha…” Tornou a sair pela hora terceira, pela hora sexta e pela hora nona… E até pela undécima hora, a última hora da jornada de trabalho… (cf. Mt 20,1-6)
O pai de família é o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que madruga na madrugada da história, que madruga na aurora da nossa vida para nos chamar para a Sua vinha, para o Seu Reino!

Como ser feliz fora da vinha? Como viver de verdade exilado do Coração do Pai?

Mas, o que é trabalhar na vinha? Pedro tinha perguntado antes a Jesus: “Eis que nós deixamos tudo e Te seguimos. Que receberemos?” (Mt 19,27) Trabalhar na vinha é seguir o Senhor, é colocar a vida na perspectiva do Reino que Ele veio trazer, é colocar-se disponível ao Seu santo serviço na vinha que é a Igreja, sinal e início do Reino: “Quem quer que tenha deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou terras por causa do Meu Nome, receberá muito mais” (Mt 19,29)

O Senhor chama a mim, chama a você: “Ide, também vós para a vinha!” (Mt 20,7). Chama com insistência, chama para que creiamos,
Chama para que vivamos Nele,
Chama para que, com os dons que Dele recebemos, nos coloquemos a serviço da Sua Igreja.
“Ide, também vós, para a vinha, e Eu vos darei o que for justo!” (Mt 20,4)

Caro Amigo, escute com um coração que escuta o convite do Senhor!
Olhe sua vida, veja sua disponibilidade, observe como ocupa seu tempo e utiliza seus dons…
Lembre: “O Reino dos Céus é” assim:
um chamado teimoso, nas horas menos esperadas da jornada da vida,
uma vinha,
um sim ou um não…

“Ide! Eu vos darei o que for justo…”(Mt 20,4)

Que o Dono da vinha lhe dê coragem!

Um santo Domingo!
Uma semana abençoada!

Henrique Soares da Costa