O PAPA FRANCISCO VEIO A ROMA DA ARGENTINA… Por Frei Patrício Sciadini, ocd.

Francisco de Assis veio a Roma para falar com o Papa que queria “restaurar a igreja que estava caindo”. O Papa Inocêncio o escutou com amor e a Igreja recuperou o seu vigor e sua credibilidade através do pobrezinho de Assis. Veio da Argentina o Papa Francisco para Roma para começar um caminho de continuação do bem, do esforço e do amor do Bento XVI. Veio com o sinal da simplicidade, de quem não quer se mostrar diferente do povo, mas consciente de sua missão e não sabe como fazer. É uma criança que ainda deve aprender a “ser Papa”. Todas as missões nunca se aprendem para sempre, mas todos os dias fazemos um passo. Não existe escola nem para ser santos e nem para ser Papa.
“Vos anunciamos uma grande alegria, temos o Papa!” Também os anjos que Deus enviou do céu para anunciar aos pastores iniciaram com estas palavras: “vos anunciamos uma grande notícia, uma alegria, nasceu o salvador!” Os nossos olhos veem no Papa Francisco primeiro uma grande notícia. Alguém que vem vestido de simplicidade, capaz de surpreender-nos desde sua primeira aparição da janela de São Pedro. Deu a todos uma boa noite e depois convidou todos a rezar em silêncio para ele; antes que ele desse sua benção pediu a benção do povo. Gesto bonito e cheio de significado. Anunciou a grande alegria de querer caminhar juntos para construir a fraternidade para evangelizar. Nunca podemos esquecer estas primeiras palavras. Pode ser que o seu jeito chamou à memória um outro grande Papa, o beato João XXIII, que falava ao coração. Este Papa quer falar ao coração de todos.
Era chamado o cardeal dos pobres em Buenos Aires, será sem dúvida o Papa dos pobres. Que todos os pobres de toda espécie de pobreza – e quem não é pobre? sinta que os braços do Papa estão abertos para acolhe-lo, para abraçá-lo e para cobri-lo de beijos. Revestido de uma veste nova, sandálias nos pés e anel ao dedo e fazer uma grande festa, como na parábola dos dois irmãos. Não é necessário ver como a Igreja partiu na escolha do novo Papa, se afastou da Europa e fixou o seu olhar na América Latina. Um grande acontecimento histórico como foi quando foi eleito, depois de tantos séculos, o Papa João Paulo II, um Papa não italiano. Mas o que esperamos do novo Papa? Provavelmente são tantas as expectativas quanto os católicos do mundo, os cristãos e os homens e mulheres “de boa vontade”. Cada um sente no seu coração uma esperança nova, um reavivar o seu amor pela Igreja. Sempre o Papa é alguém que tem muito a dizer para a humanidade, alguém que é tocado pela força do Espírito Santo que entra na vida de cada dia do povo. O Papa Francisco já entrou no coração de todos, especialmente da América Latina. O seu jeito, as suas primeiras palavras.
O programa do Papa Francisco me parece já traçado nas primeiras palavras, nos primeiros gestos. Quer ser simples, não se deixa dominar das riquezas e o poder. Quer lançar uma mensagem que é a hora de voltar, como diz Francisco de Assis, ao evangelho “sine glossa”, sem interpretações, mas assim como nos foi deixado pelos evangelistas que nos relatam a vida pobre, missionária, orante, evangelizadora de Jesus, que não tinha onde reclinar a cabeça. Esperamos um Papa nômade e peregrino, que continua a viajar pelas estradas do mundo e que faça sentir a todos os que vivem corrompidos pelos poderes do mal, que a palavra de Jesus se realiza. “Fui enviado para anunciar”( Lc 4) É claro que o Papa Francisco não vai ler este artigo, mas veremos que o Espírito Santo também pela nossa minúscula oração vai tocar o coração do Papa e dar-lhe a coragem. É belo que seja jesuíta. Depois de séculos o Papa também não pertence ao clero diocesano, mas sim a uma Ordem Religiosa. O religioso deveria ser mais profeta, mais livre, mais autêntico e principalmente falar menos e viver mais o evangelho. São Francisco abençoe o Papa Francisco! E a nossa oração o envolva no manto do amor filial de todo o povo da América Latina e do mundo

A juventude e os grandes ideais, por Papa Francisco

O IV Domingo do Tempo de Páscoa é caracterizado pelo Evangelho do Bom Pastor que se lê todos os anos. A passagem de hoje traz estas palavras de Jesus: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão eternamente, e ninguém as arrebatará da minha mão. Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai. Eu e o Pai somos um” (10, 27-30). Nestes quatro versos há toda a mensagem de Jesus, o núcleo do seu Evangelho: Ele nos chama a participar na sua relação com o Pai, e essa é a vida eterna.
Jesus quer estabelecer com os seus amigos um relacionamento que seja reflexo do que Ele mesmo tem com o Pai: uma relação de mútua pertença na confiança plena, na íntima comunhão. Para expressar essa comprensão profunda, este relacionamento de amizade, Jesus usa a imagem do pastor com as suas ovelhas: ele as chama e elas reconhecem a sua voz, respondem ao seu chamado e o seguem. É linda esta parábola! O mistério da voz é impressionante: pensemos que desde o ventre de nossa mãe, aprendemos a reconhecer a sua voz dela e a do papai; no tom de voz, percebemos o amor ou o desdém, o afeto ou a frieza. A voz de Jesus é única! Se aprendemos a distinguí-la, Ele nos guia no caminho da vida, caminho que vai além do abismo da morte.
Mas Jesus, porém, num determinado momento disse, referindo-se às suas ovelhas: “Meu Pai, que mas deu …” (Jo 10, 29). Isto é muito importante, é um profundo mistério, não fácil de entender: se eu me sinto atraído por Jesus, se a sua voz aquece o meu coração, é graças a Deus Pai, que colocou em mim o desejo de amor, de verdade, de vida, de beleza… e Jesus é tudo isso em plenitude! Isso nos ajuda a compreender o mistério da vocação, especialmente das chamadas para uma especial consagração. Às vezes, Jesus nos chama, nos convida a segui-lo, mas talvez aconteça que não nos damos conta de que é Ele, exatamente como aconteceu com o jovem Samuel.
Há muitos jovens hoje, aqui na Praça. Vocês são muitos, né? Se vê… olha só! Vocês são tantos jovens hoje aqui na Praça. Gostaria de perguntar-lhes: alguma vez vocês escutaram a voz do Senhor que, por meio de um desejo, de uma inquietação, tenha lhes convidado a seguí-Lo mais de perto? Ouviram? Não ouço? Então… tiveram a vontade de ser apóstolos de Jesus? A juventude, há que pô-la em jogo para grandes ideais. Vocês pensam nisso? Concordam? Pergunte a Jesus o que ele quer de você e seja corajoso! Seja corajosa! Pergunte-lhe! Detrás e antes de toda vocação ao sacerdócio ou à vida consagrada, há sempre a oração forte e intensa de alguém: de uma vó, de um avô, de uma mãe, de um pai, de uma comunidade… Eis porque Jesus disse: “Pedi ao Senhor da messe – ou seja, Deus Pai – para que envie operários para a sua messe!” (Mt 9, 38). As vocações nascem na oração e da oração; e somente na oração podem perseverar e dar frutos. Gostaria de destacar isso hoje, que é a “Jornada Mundial de oração pelas vocações”.
Rezemos especialmente pelos novos Sacerdotes da Diocese de Roma que tive a alegria de ordenar na manhã de hoje. E invoquemos a intercessão de Maria. Hoje havia 10 jovens que disseram “sim” a Jesus e foram ordenados sacerdotes nesta manhã… Isso é lindo! Invoquemos a intercessão de Maria, que é a Mulher do “sim”. Maria disse “sim”, toda a vida! Ela aprendeu a reconhecer a voz de Jesus desde que o carregava no ventre. Que Maria, nossa Mãe, nos ajude a conhecer sempre melhor a voz de Jesus e a seguí-la, para andar no caminho da vida! Obrigado.
Muito obrigado pela saudação, mas cumprimentem também a “Jesus”, forte… Vamos todos rezar à Virgem Maria.
Por Zenit
Retirado do site “Jovens Conectados”

Religiosas ameaçadas de serem multadas por alimentar os pobres em Miami

Há poucos dias, a cidade de Miami (Estados Unidos) notificou as missionárias da caridade, que servem os pobres na cidade, alimentando mais de 300 pessoas diariamente, que poderiam ser multadas por gerenciar o seu “negócio” de alimentar os pobres.
A insólita notificação foi colocada em um poste de luz de fora da casa, onde as irmãs servem os indigentes e desabrigados que, se não fosse pelas Irmãs da família espiritual fundada por Madre Teresa de Calcutá, simplesmente teriam nada para comer.
O aviso de 20 de março foi recentemente publicado nesta quarta-feira, 2 de abril pelo jornal El Nuevo Herald em sua íntegra. Esta afirma que a operação de um ‘negócio´ sem uma licença é ilegal perante a lei estadual e Municipal; por isso exigem legaliza-lo e solicitar permissão das autoridades para continuar seu trabalho com os pobres.
O documento adverte as irmãs que se elas continuam seu “negócio” de alimentar os indigentes gratuitamente, poderiam receber uma multa de até 100 dólares diárias.
“Não estamos operando um negócio. Nosso negócio é fazer o bem”, disse a Madre Superiora da casa dos missionárias da caridade, Irmã Lima Marie, ao El Nuevo Herald.
O que estamos violando?”, pergunta a freira e lembra que a única missão desta congregação católica religiosa fundada em 1950, para ajudar “os mais pobres entre os pobres” é “saciar a sede de Jesus na Cruz, trabalhando para a salvação e a santificação daa almaa”.
As Missionárias da caridade possuem 710 centros em mais de 133 países ao redor do mundo onde ajudam os menos favorecidos de diversas formas e estão presentes nos Estados Unidos desde a década de 70.

Sacerdote que defendeu “casamento” homossexual é excomungado pelo Vaticano

O relatório da Arquidiocese com a decisão de afastar o Pe. Jose Nicolas Alessio foi emitido em 6 de fevereiro, em que o sacerdote é “excluído de todo exercício do ministério sagrado, conforme as normas que obrigam os padres que foram suspensos.”
“Esta demissão não está sujeita a qualquer recurso,” a arquidiocese acrescentou.
O Arcebispo de Córdoba Carlos, Jose Nanez, iniciou um processo canônico contra Alessio em 2010 com suspensão temporaria de suas funções, isto se deu quando a mídia publicou declarações atribuídas a ele em favor do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.
As afirmações do padre foram feitas durante um debate nacional sobre a questão que levou à aprovação de tais “casamentos” por parte do governo argentino.
O jornal argentino El Nuevo Diario relata que, de acordo com um oficial da arquidiocese, Alessio também foi acusado de ter presidido a cerimônias de “casamento” homossexuais, bem como “casamentos” entre divorciadas, os quais são considerados sacramentalmente inválidos pela Igreja Católica Romana.
Alessio desafiou todas as vezes em que os processos foram iniciados contra ele, chamando o Arcebispo Nanez de “fascista, retrógrado e incapaz de entender a diversidade”, e reclamando que “eles estão me penalizando por pensar de forma diferente.”
Quando a decisão foi divulgada pública em 10 de abril, o padre lamentou que “mais de 30 anos a serviço do povo de Deus não tem significado para a Igreja Católica.”
Segundo o jornal La Prensa da Argentina, Alessio insistiu ao Papa Francisco para acabar com dois mil anos dos ensinamentos da Igreja Católica sobre o mal de atos homossexuais quando o pontífice foi eleito em março.
O jornal relata que o padre escreveu ao Papa Francisco uma carta insistindo-o a criar “uma comissão de especialistas nas ciências humanas e sociais para a promulgação rápida de um documento que se distancia da homofobia, que rejeita claramente a teoria que considera a homossexualidade como uma ‘túmulo desordem “, que valoriza a ideologia de gênero como uma ajuda indispensável para o respeito à diversidade, e que abre a discussão sobre toda a moral sexual da Igreja.”
O pontos de vista de Alessio sobre questões de moralidade sexual diferem muito daqueles do Papa Francisco, que, como o Arcebispo de Buenos Aires chamou o “casamento” homossexual de uma “maquinação do Pai da Mentira, que procura confundir e enganar os filhos de Deus.”
 O referido Pe. Alessio já deveria ter sido afastado faz tempo. Que o mesmo aconteça no Brasil em relação a certos clérigos desobedientes a Igreja Romana.(Grifos Meu)
Tradução: Ana Paula Linvigston

Sobre o "Pastor" e Deputado Marco Feliciano e suas declarações…

Acho que todos já ouviram falar do “Pastor” Marco Feliciano, né..?? E acho que também já ouviram e leram as declarações absurdas que ele vem fazendo contra Negros, Homossexuais e entre outras declarações que não devemos ficar dando muita importância, pois como disse são muito absurdas e sem nexo.

Bom, na minha opinião esse Marco Feliciano tem algum problema mental ou é doente mesmo, porque uma pessoa que faz tais declarações á uma etnia, contra a mulher ou contra a opção sexual só deve ter algo ou é só para chamar a atenção para si (e é o que esta acontecendo..). E acho super engraçado é as criaturas que ainda concordam e assinam embaixo com as suas declarações, tipo sério a pessoa só deve ser muito alienada para concordar com cada virgula que ele diz,  mas com algumas coisas eu tenho que concordar com ele: como aplicar o Ensino Religioso nas escolas e também é á FAVOR DA FAMÍLIA (Homem e Mulher).
Alguns dias atrás Marco Feliciano fez uma declaração sobre sua mãe realizava abortos em meninas, mas a mesma nega e ao mesmo tempo diz que só realizava mesmo quando a gestação ainda estava no inicio (um pouco contraditório, não..??) e depois de tudo isso se diz muito arrependida do que fez e espera o perdão de Deus depois de tudo que fez.
Enfim, depois de todas as suas declarações via Twitter e em sua “Igreja” Feliciano fez um comunicado via Twitter pedindo Desculpa á quem se sentiu ofendido com suas declarações ofensivas e que francamente cá entre nós depois de tantas declarações acho uma parte da população não acreditou muito nas desculpas do “Pastor” Feliciano.

Renovação Carismática Católica.., Saiba como nasceu este movimento da Igreja Católica

A Renovação Carismática Católica, ou o Pentecostalismo Católico, como foi inicialmente conhecida, teve origem com um retiro espiritual realizado nos dias 17-19 de fevereiro de 1967, na Universidade de Duquesne (Pittsburgh, Pensylvania, EUA).(13)

Em uma carta enviada dois meses após (29 de abril de 1967), a um professor, Monsenhor Iacovantuno, Patti Gallagher, uma das estudantes que participou do retiro, assim relatou o que aconteceu naqueles dias:

Tivemos um Fim de Semana de Estudos nos dias 17-19 de fevereiro. Preparamo-nos para este encontro, lemos os Atos dos Apóstolos e um livrinho intitulado “A Cruz e o Punhal” de autoria de David Wilkerson. Eu fiquei particularmente impressionada pelo conhecimento do poder do Espírito Santo e, pelo vigor e a coragem com que os apóstolos foram capazes de espalhar a Boa Nova, após o Pentecostes. Eu supunha, naturalmente, que o Fim de Semana me seria proveitoso, mas devo admitir que nunca poderia supor que viria a transformar a minha vida!

Durante os nossos grupos de discussão, um dos líderes colocou em tela o fato de que nós devemos confirmar constantemente os nossos votos de Batismo e de Crisma, assim como devemos ter a alma mais aberta para o Espírito de Deus. Pareceu-me curioso, mas um pouco difícil de acreditar quando me foi dito que os dons carismáticos concedidos aos apóstolos são ainda dados às pessoas nos dias atuais – que ainda existem sinais do poder divino e milagres – e que Deus prometeu emanar o seu Espírito para que se fizesse presença a todos os seus filhos. Decidimos, então, efetuar a renovação dos votos de Batismo e de Crisma como parte do serviço da missa de encerramento, no domingo à noite. Mas, no entanto, o Senhor tinha em mente outras coisas para nós!…

No sábado à noite, tínhamos programado uma festinha de aniversário para alguns dos colegas, mas as coisas foram simplesmente acontecendo sem alternativa. Fomos sendo conduzidos para a capela, um de cada vez, e recebendo a graça que é denominada de Batismo no Espírito Santo, no Novo Testamento. Isto aconteceu de maneiras diversas para cada uma das pessoas. Eu fui atingida por uma forte certeza de que Deus é real e que nos ama. Orações que eu nunca tinha tido coragem de proferir em voz alta, saltavam dos meus lábios. (…) Este não era, pois um simples bom fim de semana, mas, na realidade, uma experiência transformadora de vida que ainda está prosseguindo e se desenvolvendo em crescimento e expansão.

Os dons do Espírito já são hoje manifestados – e isto eu posso testemunhar, porque tenho ouvido pessoas orando em línguas, outras praticam curas, discernimento de espíritos, falam com sabedoria e fé extraordinárias, profetizam e interpretam.

Eu, agora, tenho certeza de que não há nada que tenhamos de suportar sozinhos, nenhuma oração que não seja atendida, nenhuma necessidade que Deus não possa cobrir em sua riqueza! E, no depender dele e louvá-lo com fidelidade, eu sinto uma tremenda sensação de liberdade.

Podemos tentar viver como cristãos, morrendo para nós mesmos e para o pecado, mas esta será uma luta desanimadora se não contarmos com o poder do Espírito. Ainda existem tentações e problemas, mas agora tenho a certeza e a confiança em Deus, agora ele me dá segurança. Realmente, transforma-me a viver nele. É verdade que na Crisma, nós recebemos o Espírito Santo e que nós somos seus templos, mas nós não nos abrimos o suficiente para receber em nossas vidas os seus dons e o seu poder. É certo que o Espírito Santo é o nosso professor: eu dele aprendi tanto e em tão pouco tempo!

As Escrituras vivem! Amém! Eu estou segura de que jamais poderia ter acumulado por minha própria conta tanto conhecimento, apesar de todo o esforço desenvolvido, e com as melhores intenções que tivesse.

(…) Eu me vi, de repente, conversando com as pessoas sobre Cristo, e, vendo desde logo o resultado desse trabalho! Eu jamais teria ousado fazer essas coisas no passado, mas agora, é ao contrário: é impossível deixar de fazê-lo. É como disseram os apóstolos depois de Pentecostes: “Como podemos deixar de falar sobre as coisas que vimos e ouvimos!” (…)(14) .

Estas notícias se divulgaram rapidamente, causando um grande impacto no meio religioso universitário. O “Fim de Semana de Duquesne”, como ficou mundialmente conhecido este retiro, tem sido geralmente aceito como o ponto de partida que deu origem à Renovação Carismática Católica, cuja abrangência estender-se-á, num curto período de tempo, por um grande número de países.

A experiência inicial vivida nestas universidades, caracterizada por um reavivamento espiritual por meio da oração, da vida nova no Espírito, com a manifestação dos seus dons, tomará corpo, transpondo rapidamente o ambiente onde foi originada.

Através das reuniões, seminários e encontros, em breve, aparecerão grupos de oração noutras universidades, paróquias, mosteiros, conventos, etc. Os testemunhos multiplicam-se, vindos dos mais variados grupos de pessoas: operários, ex-presidiários, professores, religiosos das mais diversas ordens.

Kevin e Dorothy Ranaghan ainda registram um aspecto pouco divulgado desta história inicial da Renovação Carismática:

Nossa suspeita de que essa experiência de renovação, que agora estava espalhada, não era nova para os católicos americanos, foi confirmada, quando ouvimos notícias ou recebemos cartas de pessoas ou grupos de católicos ao redor do país. Da Flórida, Califórnia, Texas, Wisconsin, Massachusetts, tivemos notícias do trabalho calmo do Espírito Santo no decorrer dos anos(15) .

Portanto, embora os primeiros momentos da Renovação tenham se dado em torno do retiro de Duquesne e apesar de estarem os americanos igualmente presentes no seu nascimento em diversos outros países, seria falso atribuir a expansão da Renovação Carismática unicamente à sua influência. Como afirma Monique Hébrard, a Renovação Carismática “explodiu quase ao mesmo tempo em todos os cantos da terra e em todas as igrejas cristãs, sem que se saiba muito bem como é que o fogo se ateou”(16) .

Para o Cardeal Suenens isto também despertou uma curiosidade, ou seja, “sem nenhum contato entre si, parece que o Espírito Santo suscitou em vários lugares do mundo experiências que, se não são iguais, certamente são semelhantes”(17)

Fonte: Canção Nova.

“Ser Jovem”

“A juventude não é um período da vida: ela é um estado  de espírito, um efeito da vontade, uma qualidade da  imaginação, uma intensidade emotiva, uma vitória da  coragem sobre a timidez, do gosto da aventura sobre  o amor ao conforto. Não é por termos vivido um certo  número de anos que envelhecemos; envelhecemos porque abandonamos o nosso Ideal. Os anos enrrugam o rosto; renunciar ao Ideal, enruga a alma. As preocupações, as dúvidas, os temores e os desesperos são inimigos que  lentamente nos inclinam para a terra e nos tornam pó antes  da morte. Jovem é aquele que se admira, que se maravilha e pergunta, como a criança insaciável: e depois? Que desafia os acontecimentos e encontra alegria no jogo da vida. És tão  jovem quanto a tua fé. Tão velho quanto a tua descrença; Tão jovem quanto a tua confiança em ti e a tua esperança, Tão velho quanto o teu desânimo. Serás jovem enquanto  te conservares receptivo ao que é belo, bom, grande.  Receptivo às mensagens da natureza, do homem, do infinito.”

Fonte: Força Jovem Católica.