INTERCESSÃO DOS SANTOS

INTERCESSÃO: Interceder significa pedir alguma coisa em favor de outra pessoa. No nosso caso, nós católicos dizemos e afirmamos que Maria e os santos podem pedir, interceder junto a Deus, junto a Jesus em nosso favor. Ora, aqui na terra nós oramos, pedimos, intercedemos junto a Deus, a Jesus, uns pelos outros. Quanto a isso ninguém tem dúvidas. Em todas as igrejas, ora-se uns pelos outros. Nós todos como Igreja fomos reunidos por Jesus e em Jesus. Temos comunhão com Jesus e com os irmãos. Esta comunhão se dá em Deus, em Jesus. Talvez fique mais claro dizer que esta comunhão se dá na luz de Deus. Nós podemos ainda orar por ele e pedir que ele interceda por nós – se é que ele está com o Senhor no céu, assim como ele orava por nós quando estava na terra e vivia conosco.

Na Sagrada Escritura, há algumas passagens que dizem respeitos à intercessão dos santos em nossa vida são elas:
Apocalipse 5,8: os quatro viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro. Tinham, cada um, uma cítara e taças de ouro cheias de perfume, que são as orações dos santos.
Apocalipse 8,4: a fumaça dos perfumes subiu da mão do anjo com as orações dos santos diante de Deus.

Fatos narrados no livro dos Macabeus ( Livro retirado da bíblia dos protestantes e presente apenas nas Bíblias Católicas), por sinal um dos livros mais inspirados que existem.Diz sobre a visão celestial onde foi revelada claramente a Macabeus a intercessão dos Santos.

II Macabeus 15

11. Assim armou a todos não com a segurança que vem das lanças e dos escudos, mas com a coragem que suscitam as boas palavras. Narrou-lhes ainda uma visão digna de fé uma espécie de visão que os cumulou de alegria.
12. Eis o que vira: Onias, que foi sumo sacerdote, homem nobre e bom, modesto em seu aspecto, de caráter ameno, distinto em sua linguagem e exercitado desde menino na prática de todas as virtudes, com as mãos levantadas, orava por todo o povo judeu.
13. Em seguida havia aparecido do mesmo modo um homem com os cabelos todos brancos, de aparência muito venerável, e nimbado por uma admirável e magnífica majestade.
14. Então, tomando a palavra, disse-lhe Onias: Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidade santa, Jeremias, o profeta de Deus.

No livro do Apocalipse fica mais clara a interseção dos santos.
Ap 5,8: “E havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro ANCIÃOS PROSTRARAM-SE DIANTE DO CORDEIRO, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos”

A Bíblia deixa claro QUE NÃO HÁ UM SÓ INTERCESSOR, mas que existem outros intercessores. Pois Jesus intercede TAMBÉM (Rm 8,34). LEMBRANDO QUE INTERCESSÃO É DIFERENTE DE MEDIAÇÃO.

quando a palavra diz “ÚNICO MEDIADOR DE DEUS “não se refere a oração como pensam os protestantes e sim a SALVAÇÃO. 1Timóteo 2,5: “Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem”6″que se DEU EM RESGATE POR TODOS,Jesus Cristo HOMEM”άνθρωπος”(Em carne)foi mediador da salvação,ou seja da NOVA ALIANÇA,como Moisés Mediou os anjos para a velha aliança(Gl 3,19-20)
Jó 33,23: “Se perto dele se encontrar um anjo, UM INTERCESSOR ENTRE MIL.”

 

Via:  Católicos NÃO Adoram Imagens

Anúncios

Beata Laura Vicuña

22 DE JANEIRO

Testemunho de fé e de oferta agradável a Deus.

Corria o ano de 1891 e a cidade de Santiago, capital do Chile, estava sendo o palco da sangrenta e terrível guerra civil.
Foi, justamente, neste cenário que veio ao mundo uma bela menina, filha do soldado José Domingos Vicuña e de Mercedes Pinto, era o dia 05 de abril de 1891, exatamente a 3 meses do início da guerra.
O pai de Laura estava nos campos de batalha quando sua esposa foi obrigada a fugir do Chile, indo se alojar no outro lado dos Andes em La Lajas na Argentina. Lá, no outro lado, a mãe e filha estariam protegidas.
Em pouco tempo, dona Mercedes receberia a triste notícia da morte de seu esposo. A notícia veio acompanhada de preocupações, afinal, como sobreviveriam?

 

Não se sabe por que razão, talvez pela necessidade ou outro motivo qualquer, o fato é que dona Mercedes torna-se amante de um argentino chamado Manuel Mora.
No ano de 1900 a pequena Laura inicia os seus estudos no colégio das irmãs Salesianas, filhas de Maria Auxiliadora. Foi com certeza, o tempo mais feliz de sua vida.
Foi com a mesma felicidade que no dia 02 de junho de 1901, recebeu Jesus Eucarístico pela primeira vez. O dia de sua primeira comunhão marcou de tal forma a sua vida que escreveu, em um pequeno caderno, o seu propósito de vida: “Oh meu Jesus, eu quero te amar e te servir por toda a minha vida.”
Quando completou 10 anos de idade manifestou, para as filhas de Maria Auxiliadora, o desejo de se tornar uma religiosa, uma irmã Salesiana. Feito o pedido, o senhor Bispo pediu que ela aguardasse um pouco mais.
Laura era uma menina meiga e graciosa, e numa de suas férias em casa da mãe e do padrasto, percebe o olhar malicioso do mesmo e por várias vezes teve que repelir suas investidas.
Com o tempo percebe que sua mãe sofre maus tratos do padrasto e cada vez mais deseja se tornar religiosa e servir e amar unicamente a Jesus.

 

Na solenidade da Imaculada Conceição, em 08 de dezembro de 1901, recebe a fita de admissão como Filha de Maria. Estava a um passo de entrar para a congregação Salesiana.
Quando a pequena Laura percebeu que sua mãe, que ela amava muito, vivia em situação de pecado, ofereceu-se a Deus pela conversão dela, Intensificou sua vida de oração e suas penitencias.
Já no final do ano de 1903, Laura é obrigada a voltar para a casa pois estava muito doente, sua mãe era só cuidados com a filha.
No dia 14 de janeiro de 1904, Manuel Mora, chegou bêbado em casa e com palavrões e ofensas parte para cima da mãe e da filha. Apesar da fraqueza, Laura tentou fugir de casa, porém seu padrasto a agarrou e começou a espancá-la, sem dó nem piedade, Laura caiu inconsciente.
A jovem Laura Vicuña, vendo que seus dias estavam para terminar, chama a sua mãe, e segurando em suas mãos; exclama: “Mãe, eu estou morrendo! Pedi a Jesus e faz tempo, oferecendo-lhe a minha vida por ti, para obter a tua conversão e a tua volta para Deus… mamãe, antes da morte não terei a alegria de ver-te arrependida?”
Dona Mercedes, em lágrimas, beija as mãos da filha e promete mudar de vida, e voltar para Deus.
Com esta alegria entregou sua alma ao Senhor, era a noite de 22 de Janeiro de 1904, Laura estava com 13 anos.
Seus restos mortais encontram-se na Capela das Filhas de Maria Auxiliadora em Bahia Blanca na Argentina.
Foi beatificada pelo Papa João Paulo II, em 1988. Laura Vicuña é invocada como padroeira das pessoas que são vítimas de maus tratos pelos parentes.

 
Laura Vicunã, carta de amor e de sacrifício, ternura de Deus e modelo para os nossos adolescentes e jovens.

OS PAIS DA IGREJA ERAM CATÓLICOS.

602074_433977946696855_1566792351_nMeus Irmãos Católicos, quantas vezes vocês tiveram que escutar a palhaçada protestante de que a Santa Igreja Católica única de Jesus Cristo foi fundada por Constantino no século IV?

Tudo mentira do Protestantismo, a Igreja Católica Apostólica Romana foi fundada por São Pedro em Roma, assim todos os Pais da Igreja (Século II III e IV) afirmam e confirmam a verdadeira historia da Igreja Católica, os únicos que acreditam na historinha de Constantino são os protestantes baseados em fábulas inventadas por historiadores protestantes séculos depois dos fatos narrados por eles; Obs: todos os fatos narrados por esses tais historiadores são baseadas em fábulas que eles mesmos criaram sem qualquer fonte material ou documental de testemunhas oculares.

A verdadeira historia da Igreja Católica segundo os Pais da Igreja.

Santo Irineu carta contra heresias:

“Mas visto que seria coisa bastante longa elencar, numa obra como esta, as sucessões de todas as igrejas, limitar-nos-emos à maior e mais antiga e conhecida por todos, à igreja fundada e constituída em Roma, pelos dois gloriosíssimos apóstolos, Pedro e Paulo, e, indicando a sua tradição recebida dos apóstolos e a fé anunciada aos homens, que chegou até nós pelas sucessões dos bispos, refutaremos todos os que de alguma forma, quer por enfatuação ou vanglória, quer por cegueira ou por doutrina errada, se reúnem prescindindo de qualquer legitimidade. Com efeito, deve necessariamente estar de acordo com ela, por causa de sua origem mais excelente, toda a Igreja, isto é, os fiéis de todos os lugares, porque nela sempre foi conservada, de maneira especial, a tradição que deriva dos apóstolos.”

Inácio de Antioquia em 107 D.C:

Onde comparecer o Bispo, aí esteja a multidão, do mesmo modo que, onde estiver Jesus Cristo, aí está a IGREJA CATÓLICA”

(Epístola aos Esmirnenses c 8, 2).

São Policarpo:

“A Igreja de Deus que peregrina em Esmirna à Igreja de Deus que peregrina em Filomélio e a todas as paróquias da IGREJA SANTA E CATÓLICA em todo o mundo”.

“fez menção de todos quantos em sua vida tiveram trato com ele, pequenos e grandes, ilustres e humildes, e especialmente de toda a IGREJA CATÓLICA, espalhada por toda a terra”

(c. 8).

São Clemente:

“Não só pela essência, mas também pela opinião, pelo princípio pela excelência, só há uma Igreja antiga e é a IGREJA CATÓLICA. Das heresias, umas se chamam pelo nome de um homem, como as que são chamadas por Valentino, Marcião e Basílides; outras, pelo lugar donde vieram, como os Peráticos; outras do povo, como a heresia dos Frígios; outras, de alguma operação, como os Encratistas; outras, de seus próprios ensino, como os Docetas e Hematistas“.

(Stromata 1.7. c. 15).

São Cipriano em 249, antes de Constantino nascer, e antes do Concílio de Nicéia, testemunhava:

Cipriano (200-258)

“atrevem-se estes a dirigir-se à cátedra de Pedro, a esta igreja principal de onde se origina o sacerdócio… esquecidos de que OS ROMANOS NÃO PODEM ERRAR NA FÉ”

(Epist. 59,n.14, Hartel, 683)

“Estar em comunhão com o Papa é estar em comunhão com a Igreja Católica.”

(Epist. 55, n.1, Hartel, 614);

“E não há para os fiéis outra casa senão a Igreja Católica.”

(Sobre a unidade da Igreja, cap. 4);

“Roma é a matriz e o trono da Igreja Católica.”

(Epist. 48, n.3, Hartel, 607).

http://macabeus.no.comunidades.net/

 

Via: Jesus o bom Pasto

Obama decide fechar a embaixada dos EUA no Vaticano: Mostra “antipatia” pelos católicos.

WASHINGTON DC, 28 Nov. 13 / 12:26 pm (ACI/EWTN Noticias).- A decisão do governo dos Estados Unidos, encabeçado por Barack Obama, de fechar sua embaixada na Santa Sé, e transladar os escritórios respectivos a um anexo da embaixada na Itália, “é outra manifestação da antipatia deste governo tanto pelos católicos, como pelo Vaticano, e pelos cristãos no Oriente Médio”, disse o ex-embaixador desse país junto a Santa Sé, James Nicholson.

Em declarações ao site Catholic Vote, Nicholson, que foi embaixador ante a Santa Sé entre 2001 e 2005, advertiu que a embaixada no Vaticano tem uma posição estratégica “para intermediações em tantas soberanias, mas particularmente no Oriente Médio”.

Fazendo referência ao momento atual, ele diz que não é um “bom momento para diminuir o tamanho desta intermediação. Diminuir o tamanho deste posto é diminuir a sua influência”.

De acordo ao informado pelo Departamento de Estado dos EUA à imprensa local em 25 de novembro, a decisão de fechar a embaixada no Vaticano se deve a razões econômicas, procurando economizar 1,4 milhões de dólares ao ano.

Entretanto, James Nicholson assegurou que “o Departamento de Estado há muito tempo queria fazer isso. Surgiu quando eu era embaixador. Expliquei-lhes a loucura disto e deixaram de lado. Mas agora parecem determinados a fazê-lo”.

A percepção com esta decisão, apontou, é “que os Estados Unidos estão mostrando uma falta de apreciação pela importância do Vaticano como parceiro diplomático”.

Para o Catholic Vote, a decisão do governo de Obama se deve a que “os grupos anti-familia odeiam o Vaticano. No cenário internacional, o Vaticano é um feroz promotor da liberdade religiosa, da dignidade de toda vida humana e da família tradicional. E a Santa Sé se opôs vigorosamente ao imperialismo pró-aborto promovido pelo Planned Parenthood e outros durante décadas”.

Planned Parenthood, a maior companhia abortista do mundo, apoiou com 15 milhões de dólares à campanha para a reeleição de Barack Obama, e assumiu o crédito por sua vitória em novembro de 2012.

Advento: significado e origem

Todos os grandes eventos exigem uma preparação. Por isso, a Igreja instituiu, na Liturgia, um período que antecede o Natal: o Advento.
Mas, ao longo da história da Igreja, tomou diversas formas.

Receber uma visita é uma arte que uma dona de casa exercita com freqüência. E quando o visitante é   ilustre, os preparativos são mais exigentes. Imagine o leitor que numa Missa de domingo seu pároco anunciasse a visita pastoral do bispo diocesano, acrescida de uma particularidade: um dos paroquianos seria escolhido à sorte para receber o prelado em sua casa, para almoçar, após a Missa.

Certamente, durante alguns dias, tudo no lar da família eleita se voltaria para a preparação de tão honrosa visita. A seleção do menu, para o almoço, o que melhorar na decoração do lar, que roupas usar nessa ocasião única. Na véspera, uma arrumação geral na casa seria de praxe, de modo a ficar tudo eximiamente ordenado, na expectativa do grande dia.

Essa preparação que normalmente se faz, na vida social, para receber um visitante de importância, também é conveniente fazer-se no campo sobrenatural. É o que ocorre, no ciclo litúrgico, em relação às grandes festividades, como por exemplo o Natal. A Santa Igreja, em sua sabedoria multissecular, instituiu um período de preparação, com a finalidade de compenetrar todas as almas cristãs da importância desse acontecimento e proporcionar-lhes os meios de se purificarem para celebrar essa solenidade dignamente.

Esse período é chamado de Advento.

Significado do termo
Advento – adventus, em latim – significa vinda, chegada.
É uma palavra de origem profana que designava a vinda anual da divindade pagã, ao templo, para visitar seus adoradores. Acreditava-se que o deus cuja estátua era ali cultuada permanecia em meio a eles durante a solenidade. Na linguagem corrente, significava também a primeira visita oficial de um personagem importante, ao assumir um alto cargo. Assim, umas moedas de Corinto perpetuam a lembrança do adventus augusti, e um cronista da época qualifica de adventus divi o dia da chegada do Imperador Constantino.

Nas obras cristãs dos primeiros tempos da Igreja, especialmente na Vulgata, adventus se transformou no termo clássico para designar a vinda de Cristo à terra, ou seja, a Encarnação, inaugurando a era messiânica e, depois, sua vinda gloriosa no fim dos tempos.

Surgimento do Advento cristão
Os primeiros traços da existência de um período de preparação para o Natal aparecem no século V, quando São Perpétuo, Bispo de Tours, estabeleceu um jejum de três dias, antes do nascimento do Senhor. É também do final desse século a “Quaresma de São Martinho”, que consistia num jejum de 40 dias, começando no dia seguinte à festa de São Martinho.

São Gregório Magno (590- 604) foi o primeiro papa a redigir um ofício para o Advento, e o Sacramentário Gregoriano é o mais antigo em prover missas próprias para os domingos desse tempo litúrgico.

No século IX, a duração do Advento reduziu-se a quatro semanas, como se lê numa carta do Papa São Nicolau I (858-867) aos búlgaros. E no século XII o jejum havia sido já substituído por uma simples abstinência.

Apesar do caráter penitencial do jejum ou abstinência, a intenção dos papas, na alta Idade Média, era produzir nos fiéis uma grande expectativa pela vinda do Salvador, orientando-os para o seu retorno glorioso no fim dos tempos. Daí o fato de tantos mosaicos representarem vazio o trono do Cristo Pantocrator. O velho vocábulo pagão adventus se entende também no sentido bíblico e escatológico de “parusia”.

O Advento nas Igrejas do Oriente
Nos diversos ritos orientais, o ciclo de preparação para o grande dia do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo formou-se com uma característica acentuadamente ascética, sem abranger toda a amplitude de espera messiânica que caracteriza o Advento na liturgia romana.

Na liturgia bizantina destaca-se, no domingo anterior ao Natal, a comemoração de todos os patriarcas, desde Adão até José, esposo da Santíssima Virgem Maria. No rito siríaco, as semanas que precedem o Natal chamam-se “semanas das anunciações”. Elas evocam o anúncio feito a Zacarias, a Anunciação do Anjo a Maria, seguida da Visitação, o nascimento de João Batista e o anúncio a José.

O Advento na Igreja Latina
É na liturgia romana que o Advento toma o seu sentido mais amplo.

“Vigiai, pois, em todo o tempo e orai, a fim de que vos torneis dignos de escapar a todos estes males que hão de acontecer, e de vos apresentar de pé diante do Filho do Homem” (Lc 21, 36). É a recomendação do Salvador.

Como ficar de pé diante do Filho do Homem? A nós cabe corar de vergonha, como diz a Escritura. A Igreja assim nos convida à penitência e à conversão e nos coloca, no segundo domingo, diante da grandiosa figura de São João Batista, cuja mensagem ajuda a ressaltar o caráter penitencial do Advento.

Com a alegria de quem se sente perdoado, o terceiro domingo se inicia com a seguinte proclamação: “Alegrai-vos sempre no Senhor. De novo eu vos digo: alegrai-vos! O Senhor está perto”. É o domingo Gaudete. Estando já próxima a chegada do Homem- Deus, a Igreja pede que “a bondade do Senhor seja conhecida de todos os homens”. Os paramentos são cor-de-rosa.

No quarto domingo, Maria, a estrela da manhã, anuncia a chegada do verdadeiro Sol de Justiça, para iluminar todos os homens. Quem, melhor do que Ela, para nos conduzir a Jesus? A Santíssima Virgem, nossa doce advogada, reconcilia os pecadores com Deus, ameniza nossas dores e santifica nossas alegrias. É Maria a mais sublime preparação para o Natal.

Com esse tempo de preparação, quer a Igreja ensinar-nos que a vida neste vale de lágrimas é um imenso advento e, se vivermos bem, isto é, de acordo com a Lei de Deus, Jesus Cristo será nossa recompensa e nos reservará no Céu um belo lugar, como está escrito: “Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que O amam” (1Cor 2, 9).

Leituras dos quatro domingos do advento

ANO A:
1º domingo (Mt 24,37-44) – A vigilância requerida do dono da casa
2º domingo (Mt 3,1-12) – Preparar um caminho para o Senhor – A pregação de João Batista
3º domingo (Mt 11,2-11) – Jesus mesmo é quem deve vir – A boa-nova para os pobres
4º domingo (Mt 1,18-24) – O Filho de Maria, dom do Espírito – O Deus-Conosco – Emanuel

ANO B:
1º domingo (Mc 13,33-37) – Estar vigilante para a vinda do Senhor
2º domingo (Mc 1,1-8) – João Batista e o batismo de conversão
3º domingo (Jo 1,5-8.19-28) – João Batista dá testemunho da Luz – Cristo, mais forte que ele.
4º domingo (Lc 1,25-38) – A anunciação do anjo a Maria

ANO C:
1º domingo (Lc 21,25-28.34-36) – Vigilância para a vinda do Filho do Homem
2º domingo Lc 3,1-6) – João Batista, o grande profeta – Sua vocação
3º domingo (Lc 3,10-18) – João Batista prega em atos – O que é a conversão para todos
4º domingo (Lc 1,39-45) – Maria visita Isabel – Nelas se encontram o Precursor e o Messias

Padre Mauro Sérgio da Silva Izabel
***

A Teologia e espiritualidade do Tempo do Advento
O Advento (do latim Adventus: “chegada”, do verbo Advenire: “chegar a”) é o primeiro tempo e inicio do Ano litúrgico, o qual antecede o Natal. Para os cristãos, é um tempo de preparação e alegria, de expectativa, onde os fiéis, esperando o Nascimento de Jesus Cristo, vivem o arrependimento e promovem a fraternidade e a Paz.

No calendário religioso este tempo corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal.

O tempo do Advento é para toda a Igreja, momento de forte mergulho na liturgia e na mística cristã. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor, como uma noiva que se enfeita, se prepara para a chegada de seu noivo, seu amado.

Ano litúrgico

Ciclo anual através do qual a Igreja Católica comemora todo o mistério do Cristo, e que consta de: tempo do Advento, Natal, Epifania, tempo comum, Quaresma, Semana Santa, Páscoa, tempo pascal, Pentecostes e tempo comum até encerrar-se o ciclo no primeiro domingo do Advento.

O que diz a Igreja: «Ao celebrar anualmente a liturgia de Advento, a Igreja atualiza esta espera do Messias: participando da longa preparação da primeira vinda do Salvador, os fiéis renovam o ardente desejo de sua segunda Vinda. Celebrando o natal e o martírio do Precursor, a Igreja se une ao desejo de este: «É preciso que ele cresça e que eu diminua» (Jo 3, 30).  (Catecismo da Igreja Católica, # 524).

O Advento começa às vésperas do Domingo mais próximo do dia 30 de Novembro, e vai até as primeiras vésperas do Natal de Jesus contando quatro domingos.

Esse tempo possui duas características: Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para a segunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo, Salvador e Senhor da história, no final dos tempos. As duas últimas semanas, dos dias 17 a 24 de Dezembro, visam em especial, a preparação para a celebração do Natal, a primeira vinda de Jesus entre nós. Por isto, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.

O Advento recorda a dimensão histórica da salvação, evidencia a dimensão escatológica do mistério cristão e nos insere no caráter missionário da vinda de Cristo. Ao serem aprofundados os textos litúrgicos desse tempo, constata-se na história da humanidade o mistério da vinda do Senhor, Jesus, que de fato se encarna e se torna presença salvífica na história, confirmando a promessa e a aliança feita ao povo de Israel. Deus que, ao se fazer carne, plenifica o tempo (Gl 4,4) e torna próximo o Reino (Mc 1,15).

O Advento recorda também o Deus da Revelação. Aquele que é, que era e que vem (Ap 1, 4-8), que está sempre realizando a salvação mas cuja consumação se cumprirá no “dia do Senhor”, no final dos tempos. O caráter missionário do Advento se manifesta na Igreja pelo anúncio do Reino e a sua acolhida pelo coração do homem até a manifestação gloriosa de Cristo. As figuras de João Batista e Maria são exemplos concretos da vida missionária de cada cristão, quer preparando o caminho do Senhor, quer levando o Cristo ao irmão para o santificar. Não se pode esquecer que toda a humanidade e a criação vivem em clima de advento, de ansiosa espera da manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus.

A celebração do Advento é, portanto, um meio precioso e indispensável para nos ensinar sobre o mistério da salvação e assim termos a Jesus como referência e fundamento, dispondo-nos a “perder” a vida em favor do anúncio e instalação do Reino.

A liturgia do Advento nos impulsiona a reviver alguns dos valores essenciais cristãos, como a alegria expectante e vigilante, a esperança, a pobreza, a conversão. Deus é fiel a suas promessas: o Salvador virá; daí a alegre expectativa, que deve nesse tempo, não só ser lembrada, mas vivida, pois aquilo que se espera acontecerá com certeza. Portanto, não se está diante de algo irreal, fictício, passado, mas diante de uma realidade concreta e atual. A esperança da Igreja é a esperança de Israel já realizada em Cristo mas que só se consumará definitivamente na parusia (volta) do Senhor. Por isso, o brado da Igreja característico nesse tempo é “Maranatha! Vem Senhor Jesus!”

O tempo do Advento é tempo de esperança porque Cristo é a nossa esperança (I Tm 1, 1); esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados, fraquezas, na vida eterna, esperança que nos forma na paciência diante das dificuldades e tribulações da vida, diante das perseguições, etc. O Advento também é tempo propício à conversão. Sem um retorno de todo o ser a Cristo, não há como viver a alegria e a esperança na expectativa da Sua vinda.

É necessário que “preparemos o caminho do Senhor” nas nossas próprias vidas, lutando incessantemente contra o pecado, através de uma maior disposição para a oração e mergulho na Palavra.

Minha benção fraterna+
Padre Luizinho
***

Significado e uso da Coroa de Advento

Descrição
Consiste numa coroa feita com ramos verdes e flores, na qual se inserem 4 velas, que significam as 4 semanas de preparação para o Natal, ou seja, o Advento.

Trata-se de um suporte, normalmente redondo, com um aro de arame ou madeira, revestido de ramos vegetais ou de musgo: ou seja, uma coroa entrançada com uma verdura que se conserva, como os fetos. Sem flores. Sobre ela colocam-se quatro velas novas, de cor uniforme ou variada, como se prefira.

A coroa coloca-se sobre uma mesa, ou sobre um tronco de árvore, ou pendura-se elegantemente do teto.

As 4 velas são acesas à medida que  os 4 domingos de Advento se vão cumprindo.

No início da primeira semana de Advento acende-se uma vela. No segundo Domingo, duas. E assim sucessivamente até que, nas vésperas do Natal e no quarto Domingo, já estão acesas em todas as celebrações (dominicais e diárias) as quatro velas. Umas, naturalmente, gastaram-se mais que outras. [Também pode colocar-se uma quinta vela, branca no centro, na Noite de Natal: para expressar que o Advento foi tempo de preparação e é mais importante o Natal, com as suas duas grandes semanas. Pode-se juntar também uma imagem do Menino, dentro da própria coroa de Advento.]

História
É de origem germânica a coroa do advento e sua utilização posterior pelos missionários.  No Inverno, acendiam-se algumas velas que representavam o “fogo do deus sol”, com a esperança de que a sua luz e o seu calor voltasse. Os primeiros missionários aproveitaram esta tradição para evangelizar, relacionando-a com Jesus Cristo.
No séc. XVI torna-se símbolo do Advento nas casas dos cristãos. Este uso difunde-se rapidamente e implanta-se também na América.
No séc. XIX começou a colocar-se a coroa de Advento nas igrejas.
Existe uma tradição que sugere o nome das quatro velas: vela da Profecia, vela de Belém, vela dos Pastores, vela dos Anjos.

Uso da Coroa do Advento
O seu uso tem-se difundido cada vez mais entre nós. Ajuda a aprofundar a espera e a intensificar, em cada semana, a preparação para a vinda do Senhor.

A coroa está formada por uma grande quantidade de símbolos.
Com este símbolo da coroa, simples e dinâmico, trata-se de ir criando uma atitude de espera, com o seu jogo numérico, com o simbolismo da luz do verde, e com uma aproximação gradual que convida à preparação da vinda de Cristo Jesus, Luz e Vida para todos. No meio de um mundo secularizado, que tende a celebrar o Natal com slogans meramente comerciais, a coroa pode ser um pequeno símbolo dos valores que nós, os cristãos, vivemos nestes dias.
Natal é a festa da luz: “O povo que andava nas trevas, viu uma grande luz”.Cristo é a Luz do mundo. É Ele quem, com a Sua vinda, nos ilumina e nos conduziu à esperança.
A coroa de Advento aponta para o crescendo da Luz de Cristo, que dissipa as trevas deste mundo.
Ao acender semana após semana os quatro círios da coroa, significamos os nossos passos de aproximação à luz que vem sobre nós e é Cristo Jesus.

Simbologia
A sua forma circular indica a perfeição, a plenitude a que devemos aspirar na nossa vida de cristãos. O círculo não tem princípio, nem fim. É sinal do amor de Deus que é eterno, sem princípio e nem fim, e também do nosso amor a Deus e ao próximo que nunca deve terminar. Além disso, o círculo dá uma idéia de “elo”, de união entre Deus e as pessoas, como uma grande “Aliança”.
Como coroa, significa a dignidade, a realeza que Cristo veio outorgar ao cristão, isto é, a honra, a grandeza, a alegria, a vitória. (Em Ap 4,4-10 Cristo aparece como soberano e em Ap 14,14 tem uma coroa na cabeça como o próprio Deus).
É a “coroa dos eleitos”. Uma coroa é usada em diversas ocasiões: a noiva no casamento, as crianças em certas festas, na sepultura como sinal de uma vida plena. A coroa de Advento significa também a plenitude dos tempos.

Os ramos verdes significam também o senhorio de Cristo sobre a vida e a natureza, dons de Deus. Verde é a cor da vida e da esperança. Deus oferece-nos a sua graça, o seu perdão misericordioso e a glória da vida eterna no final de nossa vida.
A luz que se acende indica o caminho, afasta o medo e fomenta a comunhão. A luz das velas é símbolo de Cristo, luz do mundo.

As quatro velas da coroa simbolizam cada uma das quatro semanas do Advento. Acende-se uma vela em cada semana; uma na primeira, duas na segunda, três na terceira e quatro na quarta, simbolizando a nossa ascensão gradual para a plenitude da luz do Natal. No inicio, vemos nossa coroa sem luz e sem brilho. Recorda-nos a experiência da escuridão do pecado. À medida que se vai aproximando o Natal, vamos acendendo uma a uma as quatro velas, representando assim a chegada do Senhor Jesus, luz do mundo, que dissipa toda a escuridão, trazendo aos nossos corações a reconciliação tão esperada.
O número quatro também pode apontar para os quatro evangelistas, ou para os quatro mil anos que o Povo Judeu esperou o Messias.

Orações da Coroa de Advento
É costume, nos domingos de Advento, que as famílias e as comunidades se reúnam ao redor da coroa para rezar. Pode começar-se por uma estrofe de um canto de Advento. Pode ler-se antes ou depois de acender a vela uma passagem bíblica. Acende-se a vela que corresponde à semana em questão, acompanhando, se possível, com um canto, poema ou oração. Lê-se uma passagem da Bíblia (uma leitura profética tirada das leituras da Missa), própria do tempo do Advento e pode fazer-se alguma oração ou meditação. Pode-se recitar uma poesia ou uma oração de esperança. Pode-se rezar um Pai Nosso, Avé-Maria e Glória, ou concluir com uma outra estrofe do canto de Advento.

Acende-se na primeira semana uma vela, na segunda duas, etc.; pode fazê-lo cada semana um membro diferente da família ou do grupo.
A coroa pode ser abençada pelo sacerdote.

Utilização nas celebrações litúrgicas
A coroa de Advento pode colocar-se no lugar mais conveniente à arquitectura da igreja: ao centro, perto do ambão, perto do altar. Não se põe sobre o altar. O importante é que seja visível e possa ser valorizada. Pode guiar o itinerário de preparação para o Natal. Pode ser num lugar próximo daquele onde colocaremos o presépio e, porventura, a árvore de Natal.

As velas devem ser suficientemente grossas, de cores iguais ou diferentes, de alturas iguais ou desiguais. No Natal pode estar perto do presépio.
As velas podem-se acender durante o canto de entrada, logo no início da celebração após breve monição, ou antes do acto penitencial, antes das leituras, ou após a homilia.
Uma ou várias pessoas da comunidade levantam-se para acender as velas correspondentes. Podem-no ir fazendo pessoas representativas: crianças, jovens, um casal, uma religiosa. Também pode ser o presidente da assembleia a acender as velas.

Pode-se acompanhar este gesto com um canto ou leitura de um texto, ou uma oração em conjunto.
Na Missa do 1º Domingo de Advento, ao acender a coroa da igreja podem ser benzidas as coroas das famílias presentes.
Este rito de acender a coroa com uma oração, faz-se em todas as Missas dominicais. Nos restantes dias, as velas estão acesas antes de começar a celebração.
No Ritual das Bênçãos (nn.1235-1242) existe uma breve monição da coroa e um rito de benção para o efeito.

Utilização familiar ou em grupos
Quando a coroa se utiliza na família, no grupo de catequese ou na escola, pode dar lugar a um simples e sentido momento de oração.
A coroa do Advento deve ser colocada num lugar de destaque, pode ser um lugar próximo daquele onde colocaremos o presépio e, porventura, a árvore de Natal.
A coroa pode ser feita em família, aproveitando a ocasião para ensinar às crianças o sentido e o significado de tal símbolo.
Podem-se repartir as funções de cada membro da família durante a oração. Um pode ser o que acende a vela, outro o que lê a passagem bíblica, outro que faz algumas preces, outro que faz algum comentário…
A idéia é que todos possam participar e que seja uma ocasião de encontro familiar.

 

Via: Site da Arquidiocese de Campo Grande

Padre Roger Luíz sobre a primeira Exortação Apostolica do Papa Francisco, a Evangelium Gaudium.

A partir de hoje, quero compartilhar todos os dias com vcs, meus amigos (as), trechos da Exortação Apostólica do Papa Francisco: Evangelium Gaudium

1. A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Quantos se deixam salvar por Ele são libertados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo, renasce sem cessar a alegria. Quero, com esta Exortação, dirigir-me aos fiéis cristãos a fim de os convidar para uma nova etapa evangelizadora marcada por esta alegria e indicar caminhos para o percurso da Igreja nos próximos anos.

I. Alegria que se renova e comunica

2. O grande risco do mundo actual, com sua múltipla e avassaladora oferta de consumo, é uma tristeza individualista que brota do coração comodista e mesquinho, da busca desordenada de prazeres superficiais, da consciência isolada. Quando a vida interior se fecha nos próprios interesses, deixa de haver espaço para os outros, já não entram os pobres, já não se ouve a voz de Deus, já não se goza da doce alegria do seu amor, nem fervilha o entusiasmo de fazer o bem. Este é um risco, certo e permanente, que correm também os crentes. Muitos caem nele, transformando-se em pessoas ressentidas, queixosas, sem vida. Esta não é a escolha duma vida digna e plena, este não é o desígnio que Deus tem para nós, esta não é a vida no Espírito que jorra do coração de Cristo ressuscitado.

3. Convido todo o cristão, em qualquer lugar e situação que se encontre, a renovar hoje mesmo o seu encontro pessoal com Jesus Cristo ou, pelo menos, a tomar a decisão de se deixar encontrar por Ele, de O procurar dia a dia sem cessar. Não há motivo para alguém poder pensar que este convite não lhe diz respeito, já que «da alegria trazida pelo Senhor ninguém é excluído»[1]. Quem arrisca, o Senhor não o desilude; e, quando alguém dá um pequeno passo em direcção a Jesus, descobre que Ele já aguardava de braços abertos a sua chegada. Este é o momento para dizer a Jesus Cristo: «Senhor, deixei-me enganar, de mil maneiras fugi do vosso amor, mas aqui estou novamente para renovar a minha aliança convosco. Preciso de Vós. Resgatai-me de novo, Senhor; aceitai-me mais uma vez nos vossos braços redentores». Como nos faz bem voltar para Ele, quando nos perdemos! Insisto uma vez mais: Deus nunca Se cansa de perdoar, somos nós que nos cansamos de pedir a sua misericórdia. Aquele que nos convidou a perdoar «setenta vezes sete» (Mt 18, 22) dá-nos o exemplo: Ele perdoa setenta vezes sete. Volta uma vez e outra a carregar-nos aos seus ombros. Ninguém nos pode tirar a dignidade que este amor infinito e inabalável nos confere. Ele permite-nos levantar a cabeça e recomeçar, com uma ternura que nunca nos defrauda e sempre nos pode restituir a alegria. Não fujamos da ressurreição de Jesus; nunca nos demos por mortos, suceda o que suceder. Que nada possa mais do que a sua vida que nos impele para diante!

4. Os livros do Antigo Testamento preanunciaram a alegria da salvação, que havia de tornar-se superabundante nos tempos messiânicos. O profeta Isaías dirige-se ao Messias esperado, saudando-O com regozijo: «Multiplicaste a alegria, aumentaste o júbilo» (9, 2). E anima os habitantes de Sião a recebê-Lo com cânticos: «Exultai de alegria!» (12, 6). A quem já O avistara no horizonte, o profeta convida-o a tornar-se mensageiro para os outros: «Sobe a um alto monte, arauto de Sião! Grita com voz forte, arauto de Jerusalém» (40, 9). A criação inteira participa nesta alegria da salvação: «Cantai, ó céus! Exulta de alegria, ó terra! Rompei em exclamações, ó montes! Na verdade, o Senhor consola o seu povo e se compadece dos desamparados» (49, 13).

Zacarias, vendo o dia do Senhor, convida a vitoriar o Rei que chega «humilde, montado num jumento»: «Exulta de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, filha de Jerusalém! Eis que o teu rei vem a ti. Ele é justo e vitorioso» (9, 9). Mas o convite mais tocante talvez seja o do profeta Sofonias, que nos mostra o próprio Deus como um centro irradiante de festa e de alegria, que quer comunicar ao seu povo este júbilo salvífico. Enche-me de vida reler este texto: «O Senhor, teu Deus, está no meio de ti como poderoso salvador! Ele exulta de alegria por tua causa, pelo seu amor te renovará. Ele dança e grita de alegria por tua causa» (3, 17).

É a alegria que se vive no meio das pequenas coisas da vida quotidiana, como resposta ao amoroso convite de Deus nosso Pai: «Meu filho, se tens com quê, trata-te bem (…). Não te prives da felicidade presente» (Sir 14, 11.14). Quanta ternura paterna se vislumbra por detrás destas palavras!

5. O Evangelho, onde resplandece gloriosa a Cruz de Cristo, convida insistentemente à alegria. Apenas alguns exemplos: «Alegra-te» é a saudação do anjo a Maria (Lc 1, 28). A visita de Maria a Isabel faz com que João salte de alegria no ventre de sua mãe (cf. Lc 1, 41). No seu cântico, Maria proclama: «O meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador» (Lc 1, 47). E, quando Jesus começa o seu ministério, João exclama: «Esta é a minha alegria! E tornou-se completa!» (Jo 3, 29). O próprio Jesus «estremeceu de alegria sob a acção do Espírito Santo» (Lc 10, 21). A sua mensagem é fonte de alegria: «Manifestei-vos estas coisas, para que esteja em vós a minha alegria, e a vossa alegria seja completa» (Jo 15, 11). A nossa alegria cristã brota da fonte do seu coração transbordante. Ele promete aos seus discípulos: «Vós haveis de estar tristes, mas a vossa tristeza há-de converter-se em alegria» (Jo 16, 20). E insiste: «Eu hei-de ver-vos de novo! Então, o vosso coração há-de alegrar-se e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria» (Jo 16, 22). Depois, ao verem-No qressuscitado, «encheram-se de alegria» (Jo 20, 20). O livro dos Actos dos Apóstolos conta que, na primitiva comunidade, «tomavam o alimento com alegria» (2, 46). Por onde passaram os discípulos, «houve grande alegria» (8, 8); e eles, no meio da perseguição, «estavam cheios de alegria» (13, 52). Um eunuco, recém-baptizado, «seguiu o seu caminho cheio de alegria» (8, 39); e o carcereiro «entregou-se, com a família, à alegria de ter acreditado em Deus» (16, 34). Porque não havemos de entrar, também nós, nesta torrente de alegria?

6. Há cristãos que parecem ter escolhido viver uma Quaresma sem Páscoa. Reconheço, porém, que a alegria não se vive da mesma maneira em todas as etapas e circunstâncias da vida, por vezes muito duras. Adapta-se e transforma-se, mas sempre permanece pelo menos como um feixe de luz que nasce da certeza pessoal de, não obstante o contrário, sermos infinitamente amados. Compreendo as pessoas que se vergam à tristeza por causa das graves dificuldades que têm de suportar, mas aos poucos é preciso permitir que a alegria da fé comece a despertar, como uma secreta mas firme confiança, mesmo no meio das piores angústias: «A paz foi desterrada da minha alma, já nem sei o que é a felicidade (…). Isto, porém, guardo no meu coração; por isso, mantenho a esperança. É que a misericórdia do Senhor não acaba, não se esgota a sua compaixão. Cada manhã ela se renova; é grande a tua fidelidade. (…) Bom é esperar em silêncio a salvação do Senhor» (Lm 3, 17.21-23.26).

7. A tentação apresenta-se, frequentemente, sob forma de desculpas e queixas, como se tivesse de haver inúmeras condições para ser possível a alegria. Habitualmente isto acontece, porque «a sociedade técnica teve a possibilidade de multiplicar as ocasiões de prazer; no entanto ela encontra dificuldades grandes no engendrar também a alegria».[2] Posso dizer que as alegrias mais belas e espontâneas, que vi ao longo da minha vida, são as alegrias de pessoas muito pobres que têm pouco a que se agarrar. Recordo também a alegria genuína daqueles que, mesmo no meio de grandes compromissos profissionais, souberam conservar um coração crente, generoso e simples. De várias maneiras, estas alegrias bebem na fonte do amor maior, que é o de Deus, a nós manifestado em Jesus Cristo. Não me cansarei de repetir estas palavras de Bento XVI que nos levam ao centro do Evangelho: «Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo».[3]

8. Somente graças a este encontro – ou reencontro – com o amor de Deus, que se converte em amizade feliz, é que somos resgatados da nossa consciência isolada e da auto-referencialidade. Chegamos a ser plenamente humanos, quando somos mais do que humanos, quando permitimos a Deus que nos conduza para além de nós mesmos a fim de alcançarmos o nosso ser mais verdadeiro. Aqui está a fonte da acção evangelizadora. Porque, se alguém acolheu este amor que lhe devolve o sentido da vida, como é que pode conter o desejo de o comunicar aos outros?