A origem da quarta-feira de cinzas (ou, Dia de Cinzas)

CrossofashesO uso litúrgico das cinzas tem sua origem nos tempos do Antigo Testamento. As cinzas simbolizam o luto, a mortalidade e penitência. Por exemplo, no livro de Ester, Mardoqueu pôs-se de saco e cinzas quando soube do decreto do Rei Assuero (ou Xerxes, 485-464 aC) da Pérsia para matar todos os judeus no Império Persa (Est 4,1). Jó (cuja história foi escrita entre os 7 e 5º séculos aC) arrependeu-se com pano de saco e cinza (Jó 42,6). Profetizando o cativeiro babilônico de Jerusalém, Daniel (c. 550 aC) escreveu: “Virei-me para o Senhor Deus, pedindo em oração fervorosa, com jejum, pano de saco e cinza” (Dn 9,3). No século 5 aC, após a pregação de conversão e arrependimento de Jonas, a cidade de Nínive proclamou um jejum, e vestiram-se de saco, e o rei se cobriram-se de saco e sentou-se nas cinzas (Jon. 3,5-6). Estes exemplos do Velho Testamento evidênciam tanto uma prática reconhecida de usar cinzas e um entendimento comum do seu simbolismo.

O próprio Jesus também fez referência a cinzas: referindo-se às cidades que se recusaram a arrepender-se do pecado, apesar de terem testemunhado os milagres e ouvirem as boas novas, nosso Senhor disse: “Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza.” (Mt 11,21).

A Igreja primitiva continuou a utilização de cinzas, pelas mesmas razões simbólicas. Em seu livro, De Poenitentia, Tertuliano (c. 160-220) prescrevia que o penitente deve “viver sem alegria na rugosidade de pano de saco e coberto de cinzas.” Eusébio (260-340), o famoso historiador Igreja primitiva, contou em sua A História da Igreja como um apóstata chamado Natalis veio ao Papa Zeferino vestido de saco e cinzas, implorando perdão. Também durante esta época, para aqueles que foram obrigados a fazer penitência pública, o padre polvilhava cinzas sobre a cabeça da pessoa deixando a confissão.

Na Idade Média (pelo menos em torno do século 8), aqueles que estavam prestes a morrer eram colocados no chão em cima do saco polvilhado com cinzas. O sacerdote abençoava a pessoa que estava morrendo com água benta, dizendo: “Lembra-te que és pó e ao pó tu hás de retornar.” Após a aspersão, o padre perguntava: “Estas feliz com o saco e cinza em testemunho de tua penitência diante do Senhor no dia do juízo?” Para o qual o moribundo respondia: “Estou feliz.” Em todos esses exemplos, o simbolismo de luto, a mortalidade e à penitência é clara.

Depois, o uso de cinzas foi adaptado para marcar o início da Quaresma, o período de preparação de 40 dias (não incluindo domingos) para a Páscoa. O ritual para o “Dia de Cinzas” é encontrado nas primeiras edições do sacramentário gregoriano que remonta pelo menos ao século 8. Por volta do ano 1000, um padre anglo-saxão chamado Aelfric pregou: “Lemos nos livros, tanto na Lei do Antigo e do Novo, que os homens que se arrependeram de seus pecados cobriam-se com cinzas e vestiam seus corpos de saco. Agora vamos fazer esta pequeno ato no início da nossa Quaresma de espalhar cinzas sobre a cabeça para significar que devemos nos arrepender de nossos pecados durante o jejum quaresmal”. Como um adicional, Aelfric reforçou seu ponto de vista até então contando a história de um homem que se recusou a ir à igreja na quarta feira de cinzas e receber as cinzas, o homem foi morto alguns dias depois em uma caça ao javali. Desde a Idade Média, pelo menos, a Igreja usou as cinzas para marcar o início da temporada penitencial da Quaresma, quando nos lembramos de nossa mortalidade e choramos por nossos pecados.

Em nossa liturgia atual do Dia de Cinzas, usamos cinzas feitas de ramos de palmeiras queimadas distribuídas no Domingo de Ramos do ano anterior. O sacerdote abençoa as cinzas e as impõe na fronte dos fiéis, fazendo o sinal da cruz e dizendo: “Lembre-se, homem, que és pó e ao pó voltarás”, ou “convertei-vos e serdes fiéis ao Evangelho”. Quando começamos esta época santa da Quaresma, em preparação para a Páscoa, é preciso lembrar o significado das cinzas que recebemos: lamentamos e fazemos penitência pelos nossos pecados. Voltamos a converter o nosso coração ao Senhor, que sofreu, morreu e ressuscitou para a nossa salvação. Renovamos as promessas feitas em nosso batismo, quando morremos de uma vida velha e nos levantamos a uma nova vida com Cristo. Finalmente, consciente de que o reino deste mundo passa, nos esforçamos para viver o Reino de Deus agora e estamos ansiosos para o seu cumprimento no céu. Em essência, morremos para nós mesmos, e nos levantamos para uma nova vida em Cristo.

Como nos lembramos o significado dessas cinzas e nos esforçamos para vivê-la durante este tempo da Quaresma, devemos permitir que o Espírito Santo nos mova para a caridade para com os nossos vizinhos. Nosso Santo Padre, na sua Mensagem para a Quaresma de 2003, disse: “É minha fervorosa esperança de que os crentes vão encontrar nesta Quaresma um tempo favorável para testemunhar o Evangelho da caridade em todos os lugares, uma vez que a vocação para a caridade é o coração de toda verdadeira evangelização.” Ele também lamentou que a nossa “época, lamentavelmente, é particularmente suscetível à tentação para o egoísmo que sempre se esconde dentro do coração humano… Um desejo excessivo de bens impede o ser humano de ser aberto a seu Criador e aos seus irmãos e irmãs.” Nesta Quaresma, atos de amor de doação mostrados aos necessitados devem ser parte de nossa penitência, de conversão e de renovação, por tais atos constituem a solidariedade e a justiça essencial para a edificação do Reino de Deus neste mundo.

Pe. Saunders é pároco de Nossa Senhora da Esperança em Potomac Falls e professor de catequese e teologia na Notre Dame Graduate School, em Alexandria.

Copyright © 2005 Arlington Catholic Herald. Todos os direitos reservados.

Este item, desde 6349 digitalmente cortesia de CatholicCulture.org

Fonte: http://www.catholicculture.org/culture/library/view.cfm?id=6349&CFID=39604980&CFTOKEN=82000147
Tradução: Emerson de Oliveira

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s