Extremistas muçulmanos queimam um casal de cristãos: A esposa estava grávida

ROMA, 04 Nov. 14 / 02:34 pm (ACI).- Uma turba de aproximadamente 100 muçulmanos queimou vivo um casal de jovens cristãos acusando-os de terem, supostamente, queimado algumas páginas do Corão no estado de Lahore no Paquistão.

O homem se chamava Shahzad e tinha 26 anos, e a sua esposa, Shama, tinha 24 anos e estava grávida. Eles foram empurrados para um forno onde se fabrica tijolos e assim foram queimados vivos.

Este acontecimento trágico foi informado à agência Fides por parte do advogado cristão Sardar Mushtaq Gill, defensor dos direitos humanos, que foi chamado por outros cristãos e presenciou a cena, no povoado “Chak 59”, perto da cidade de Kot Radha Kishan, ao sul de Lahore.

O casal cristão foi sequestrado e mantido como refém durante dois dias dentro de uma fábrica. Na manhã de hoje foram assassinados.

Gill relata que o episódio que desencadeou a acusação da suposta blasfêmia, tem relação com a morte recente do pai de Shahzad. Faz dois dias, Shama, quando estava limpando a casa do homem, pegou alguns artigos pessoais, documentos e folhas que pensou que fossem inúteis e fez um pequeno fogo.

Segundo um homem muçulmano que foi testemunha da cena e sem nenhuma confirmação, nesse fogo havia páginas do Corão. O homem espalhou a notícia nos povoados vizinhos e uma turba de 100 pessoas fez os dois jovens de reféns.

Na manhã de hoje aconteceu o final trágico. A polícia, alertada por outros cristãos, interveio e prendeu 48 pessoas, conforme assinala o jornal Pakistan Today.

Gill afirma que isso “é uma tragédia, um ato bárbaro e desumano. O mundo inteiro deve condenar energicamente este episódio que demonstra que a insegurança aumentou entre os cristãos no Paquistão. Basta só uma acusação para serem vítimas de execuções extrajudiciais. Veremos se alguém será castigado por este assassinato”.

As autoridades já constituíram um comitê de três pessoas para acelerar as investigações dos fatos originados por uma acusação, não confirmada, de uma suposta violação à lei da blasfêmia.

Uma mãe católica no Paquistão, Asia Bibi, está na prisão desde novembro de 2010, acusada injustamente de ter violado a lei da blasfêmia, algo que ela sempre negou. Neste momento, o seu caso passou para a Corte Suprema onde os juízes decidirão se ela será ou não condenada à morte.

A organização pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) apresentou hoje um relatório sobre a liberdade religiosa no mundo, no qual se destaca que estas leis da blasfêmia “limitam, na prática, a liberdade de religião e expressão. Profanar o Corão ou insultar o profeta são delitos que se castigam com penas de prisão ou, inclusive, com a morte”.

“Na vida diária, entretanto, estas leis se utilizam com frequência como instrumento de perseguição contra as minorias religiosas. Apesar dos apelos realizados ao longo de muitos anos para que se derroguem estas leis, nenhum partido político, nem o Governo se atreveu tocar nelas”, indica o texto.

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s