Papa Francisco ensina a não ser “homem ou mulher-espelho”, que estão fechados em si mesmos

De que adianta segurança sem liberdade? Ou uma espiritualidade “zen” sem sentir a paternidade de Deus? Ou ainda a admiração de si, mas numa atitude de fechamento, como se fosse um “homem ou mulher-espelho”?

Esses foram alguns dos questionamentos do Papa Francisco em sua homilia matutina em Santa Marta. O Papa inspirou-se no episódio do dia do Evangelho de Marcos: a multiplicação dos pães e o assombro dos discípulos ao verem Jesus caminhar sobre as águas. Os apóstolos “não entenderam o milagre dos pães porque o coração deles estava endurecido”.

Um coração pode ser de pedra por tantos motivos. Por exemplo, por causa de “experiências dolorosas”. Aconteceu com discípulos de Emaús, temerosos de se iludirem outra vez. Aconteceu com Tomé, que não quis acreditar na Ressurreição de Jesus. E “outro motivo que endurece o coração é o fechamento em si mesmo”.

“Construir um mundo em si mesmo, fechado. Em si mesmo, na sua comunidade ou na sua paróquia, mas sempre fechamento. E o fechamento pode girar em torno de tantas coisas: pensemos no orgulho, na suficiência, pensar que eu sou melhor que os outros, inclusive a vaidade, não? Existem o homem e a mulher-espelho, que estão fechados em si mesmos por olhar continuamente a si mesmos, não? Esses narcisistas religiosos, não? Mas têm o coração duro, porque estão fechados, não estão abertos. E tentam se defender com esses muros que constroem ao seu redor”.

Segundo o Papa, há também quem se esconda atrás da lei, seguindo “literalmente” o que os mandamentos estabelecem. Aqui, o que endurece o coração é um problema de “insegurança”. E quem busca solidez no ditado da lei se sente seguro – disse com ironia Francisco – como “um homem ou uma mulher na cela de uma prisão atrás das grades: é uma segurança sem liberdade”. O contrário daquilo que Jesus nos trouxe, ou seja, a liberdade.

“O coração, quando endurece, não é livre e se não é livre é porque não ama: assim terminava o Apóstolo João na primeira leitura. Oamor perfeito expulsa o temor: no amor não há temor, porque o temor supõe castigo, e quem teme não é perfeito no amor. Não é livre. Sempre tem o temor que aconteça algo de doloroso, triste, que me faça ir mal na vida ou arriscar a salvação eterna … São tantas imaginações, porque não ama. Quem não ama não é livre. E seu coração estava endurecido, porque ainda não aprendeu a amar”.

Então, “quem nos ensina a amar? Quem nos liberta dessa dureza?” – pergunta o Papa Francisco. “Somente o Espírito Santo”.

“Você pode fazer mil cursos de catequese, mil cursos de espiritualidade, mil cursos de ioga, zen, e todas essas coisas. Mas tudo isso nunca vai ser capaz de lhe dar a liberdade de filho. Somente o Espírito Santo move o seu coração para dizer ‘Pai’. Somente o Espírito Santo é capaz de afastar, de quebrar essa dureza de coração e tornar um coração macio … Não sei, eu prefiro a palavra… “dócil”. Dócil ao Senhor. Dócil à liberdade do amor”.

(Com Rádio Vaticano)

Via Aleteia

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s