Confissão diretamente a Deus? Papa Francisco não curtiu!

confessionario_papa

O Sacramento da Confissão nos escancara as portas do Céu. Por isso mesmo, o capeta se esforça para afastar os cristãos do confessionário: uns não se confessam a um sacerdote por vergonha; outros, por falta de humildade. Nesta semana, em uma audiência na praça de São Pedro,o Papa Francisco mandou a real pra nós sobre isso:

“Alguém poderá dizer: ‘Eu me confesso diretamente a Deus’. Sim, tu podes dizer a Deus: ‘Perdoa-me’, e dizer a ele teus pecados. Mas nossos pecados são também contra os nossos irmãos, contra a Igreja, e por isso é necessário pedir o perdão à Igreja e aos irmãos, na pessoa do sacerdote. ‘Mas, padre, tenho vergonha!’ Também a vergonha é boa, é ‘saudável’ ter um pouco de vergonha.”

– Audiência do Papa na Praça de São Pedro, 19/02/2014. Fonte: Vatican Insider

Confessar os pecados a um sacerdote é uma prova de amor a Cristo. Só o amor (ok, e talvez uma pitada de medinho do Inferno) faz com que alguém exponha as suas piores debilidades a outra pessoa, muitas vezes a um estranho. Se o pecador tem um mínimo de vergonha na cara, confessar-se já é em si uma penitência.

Quando atrelou o perdão dos pecados à Confissão (vejam na Bíblia, em Jo 20,23), Jesus determinou que um gesto concreto de arrependimento deveria ser realizado. Pedir perdão ao Deus “escondido” é muito fácil; mas declarar as faltas a outra pessoa é agulhada na nossa prepotência. O confessionário é uma escola de humildade!

Eu confesso: tenho vergonha de me confessar. Mas a vergonha jamais pode frear nossa intenção de buscar o perdão de Deus. Sabendo de nossos limites, o Papa nos deu um sábio empurrãozinho:

“Para desafogar-se, é bom falar com o irmão e dizer ao sacerdote estas coisas, que pesam tanto no meu coração: sente-se que se desafoga diante de Deus, com a Igreja e com o irmão. Por isso, não tenham medo da confissão. A gente, quando está na fila para se confessar, sente todas estas coisas – também a vergonha –, mas depois, quando termina a confissão sai livre, grande, belo, perdoado, branco, feliz. E isto é o bonito da confissão.”

O Papa tem razão! Depois de revelar nossas culpas ao sacerdote, a gente sai do confessionário levinho, levinho…

É sempre bom lembrar para tomarem cuidado com as absolvições coletivas concedidas de modo abusivo (clique aqui para saber mais). Alguns leitores também têm nos relatado a dificuldade de encontrar sacerdotes disponíveis em certas paróquias, para confissão. Infelizmente, há padres que dão prioridade a diversas outras tarefas, deixando a confissão dos fiéis em segundo ou terceiro plano. Rezemos por eles, pois é por meio de suas mãos que recebemos o perdão de Deus!

É isso aí, pessoal: vamos passar o óleo de peroba na cara e sair pra confessar o quanto antes. Jesus nos espera: “Cada vez que nos confessamos, Deus nos abraça, Deus faz festa! Prossigamos por este caminho”. Falou e disse, papitcho!

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s