Cristãos da Índia rezam por freira vítima de estupro coletivo

índiaOs cristãos da Índia rezaram neste domingo por uma freira de 71 anos que foi vítima de um estupro coletivo no fim de semana, em um novo caso de violência sexual que também preocupa a minoria religiosa.

A agressão contra a religiosa de 71 anos aconteceu alguns dias depois da proibição de exibição no país de um documentário sobre um caso de estupro coletivo que provocou a morte de uma estudante em Nova Délhi em 2012.

O incidente aconteceu na sexta-feira no estado de Bengala Ocidental, perto da cidade de Ranaghat, durante um assalto. Ladrões invadiram uma escola anexa ao convento e agrediram um guarda, antes de violentar a religiosa. Depois levaram dinheiro.

Quatro dos seis agressores foram identificados com as imagens das câmeras de segurança. As autoridades ofereceram uma recompensa de 100.000 rupias (1.500 euros) por informações sobre os suspeitos.

Arnab Ghosh, superintendente da polícia que visitou o convento, afirmou que o roubo parece ter sido planejado de maneira minuciosa.

“As imagens das câmeras mostraram que seis homens, entre 20 e 30 anos, escalaram o muro externo da escola às 23H40, depois entraram no estabelecimento e cortaram os cabos telefônicos”, afirmou à AFP.

O funcionário informou que ao menos do dois ladrões estavam armados. Durante o assalto vários textos religiosos foram destruídos e uma escultura de Cristo foi danificada.

Nas igrejas de Nova Délhi e também nos templos do estado de Bengala Ocidental os fiéis rezaram pela freira violentada para desejar uma rápida recuperação.

A religiosa permanece internada em um hospital de Ranaghat, a 70 km de Calcutá.

“Rezamos para que a religiosa se restabeleça rapidamente do trauma, do medo e de suas feridas psicológicas”, afirmou à AFP o arcebispo de Calcutá, Thomas D’Souza.

D’Souza disse que é a primeira vez que acontece um fato deste tipo na Índia.

Este estupro acontece depois que a comunidade cristã sofreu ataques em várias igrejas.

Na Índia, quase 80% da população é hinduísta, mas o país também conta com importantes comunidades muçulmanas, cristãs e budistas.

O crime voltou a evidenciar o problema da violência sexual contra as mulheres no país, depois que na semana passada o governo proibiu a exibição de um documentário sobre o estupro coletivo em 2012 de uma estudante de Nova Délhi que provocou muitos protestos.

As autoridades alegaram que a exibição do documentário poderia ter provocado distúrbios públicos, mas os críticos acusam o governo de estar mais preocupado com a reputação do país do que com a segurança das mulheres.

Via Aleteia

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s