Armênia: a crônica de um genocídio

No próximo dia 24 de abril, o mundo recordará os 100 anos do início do genocídio armênio, episódio espantoso em que morreu, vítima de um plano de aniquilação sistemática de todo um povo, um milhão e meio de homens, mulheres e crianças indefesas.

O papa Francisco celebrou no último domingo, 12 de abril, na Basílica de São Pedro, uma missa em memória de todas as vítimas, muitas das quais morreram confessando o nome de Jesus, como mártires cristãos dos tempos modernos. Cem anos depois daqueles acontecimentos trágicos, a verdade histórica do genocídio armênio ainda é controversa, quando não negada com obstinação. Através das vozes de pessoas que sofreram a ferocidade das perseguições, o livro “A marcha sem retorno – o genocídio armênio”, da jornalista italiana Franca Giansoldati, procura reconstruir a história.

Como você aborda a questão armênia no livro?

Franca Giansoldati: Eu sou repórter, não historiadora. Meu interesse pelo tema vem dos primeiros passos como jornalista na agência AdnKronos, quando me envolvi com a iniciativa do [político italiano] Giancarlo Pagliarini, que, em 1998, apresentou uma moção assinada por 165 deputados de diferentes partidos para que o parlamento italiano reconhecesse formalmente o genocídio armênio. A resolução foi aprovada em 2000, seguindo a que tinha sido aprovada pelo Parlamento Europeu. Depois, como vaticanista, eu acompanhei a preparação da visita de João Paulo II ao patriarca Karekin II, na Armênia, que foi fortemente obstaculizada pela Turquia. As palavras “genocídio” e “extermínio”, que entraram na declaração conjunta pelos 1.700 anos da proclamação do cristianismo no país, puderam ser usadas depois de uma longa discussão da comitiva papal. Eu percebi, com o tempo, que a questão do genocídio armênio é desconhecida para a maioria das pessoas, mesmo para as pessoas com bom conhecimento cultural. O meu livro tem um propósito informativo: resumir a questão para quem não a conhece ou conhece pouco. E deixar as testemunhas falarem. As estatísticas, o milhão e meio de mortes causadas pela tentativa sistemática do Império Otomano de exterminar os armênios, não atinge as consciências. A extensão do horror é mais fácil de ser entendida por meio da voz de quem a viveu.

Por que o genocídio armênio é negado até hoje?

Franca Giansoldati: Existem razões históricas. O extermínio ocorreu nos anos da Primeira Guerra Mundial, quando a atenção das grandes potências europeias estava em outros lugares. Também há razões diplomáticas: nos tratados posteriores à guerra, a influência do líder turco Ataturk foi grande o suficiente para tirar a “questão armênia” da berlinda, apesar de que um tribunal da própria Turquia tivesse condenado em 1920 alguns dos responsáveis ​​pelos massacres. Existem também razões de ordem prática: não é secundário, hoje, na atitude revisionista da Turquia, o medo dos eventuais ressarcimentos que poderiam ser reclamados pelos descendentes dos armênios trucidados, que, pelo menos nas cidades do Império Otomano, representavam a elite econômica e financeira. Tudo isso fez com que se desviasse o olhar do que aconteceu e criou uma espécie de buraco na memória coletiva, que eu acredito que influenciou a história europeia do século XX até os dias atuais: inclusive no fenômeno do auto-intitulado Estado Islâmico.

De que forma?

Franca Giansoldati: O genocídio armênio foi o primeiro a ser planejado no século XX. Se ele não tivesse sido removido da consciência coletiva e, portanto, da memória individual, provavelmente o que levou depois ao Holocausto dos judeus não teria ocorrido ou pelo menos teria acontecido de forma diferente. Não por acaso, em 1939, para convencer os seus generais da “solução final” para o “problema judaico”, Hitler proferiu a famosa frase: “Quem ainda se lembra dos armênios?”. O esquecimento do massacre dos armênios convenceu o Terceiro Reich a desenvolver uma estratégia semelhante para “resolver” os “problemas raciais” no seu território. E, de fato, tanto nos documentos dos turcos do início do século quantos nos documentos nazistas, aparece o termo “limpeza étnica”.

 

Via Aleteia

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s