Católicos e evangélicos de todo o Brasil unidos contra a inclusão da Ideologia do gênero nos planos municipais da educação.

A proposta de identidade de gênero tem sido debatida em diversas câmaras municipais do país e para impedir que esse projeto seja aprovado grupos religiosos estão se manifestando e forçando seus representantes a não aceitarem o termo.

Em São Paulo a pressão de católicos e evangélicos surtiu efeito e o termo desapareceu dos documentos que determinavam as propostas educacionais que seriam adotadas nas escolas municipais.

A imprensa internacional como o jornal esquerdista espanhol El País, em sua versão em português, chamou a atitude dos religiosos de “cruzada” e falou também em “lobby religioso” para criticar a movimentação contra a inclusão dessa ideologia.

Ao substituir a palavra sexo por gênero, a proposta educacional – já retirada no Plano Nacional de Educação – difunde que as crianças podem escolher sua identidade de gênero sem se valer do sexo biológico. Em linhas gerais a definição de homem ou mulher seria escolhida pela própria criança, não mais pelo sexo com que ela nasceu.

A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se manifestou contra esse tipo de ensinamento através de uma nota, destacando que a adoção do termo gênero não é uma forma de combater a discriminação de homossexuais, “mas sim desconstruir a família” ao fomentar “o estivo de vida que incentiva todas as formas de experimentação sexual desde a mais tenra idade”.

Dom Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, também se pronunciou sobre o tema dizendo que “os legisladores [devem evitar] a ingerência do Estado no direito e dever dos pais e das famílias de escolherem o tipo de educação dos filhos”. Na nota divulgada por ele, afirma que a ideologia de gênero é uma distorção antropológica e terá consequências graves.

Além de São Paulo outras cidades brasileiras conseguiram impedir a aprovação de leis que incluem essa doutrinação nas escolas. Na cidade de Campinas, interior de São Paulo, há um  “Projeto de Emenda à Lei Orgânica Anti-ideologia de Gênero” que proíbe legislações sobre o tema.

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s