A novela e o ataque aos evangélicos

image

Para certa mídia interessa denegrir a imagem dos parlamentares que lutam a favor da família

A televisão brasileira é objetiva e clara. Seus mentores, dirigindo-se às classes sociais mais simples, não se preocupam com elucubrações elegantes. Vão direto ao ponto! É exatamente oque está ocorrendo na novela Babilônia. Nossos irmãos, os evangélicos, são nitidamente escrachados. A trama e as falas das personagens pretensamente evangélicas não deixam dúvida a respeito da intenção do autor da novela: mostrar uma dicotomia visceral entre o que os evangélicos pregam e o que eles fazem na vida diária. No enredo, o pai da família de evangélicos é um prefeito – quase pastor – que toda hora evoca o “Altíssimo”, mas, na política, é um corrupto de primeira linha e, na privacidade do lar, um adúltero, acobertado pela própria mãe, a qual também diz primar pelos valores cristãos e recorrentemente clama a Deus.

Por que denegrir a imagem dos evangélicos? Ora, o escopo de certa mídia é óbvio. São os deputados e senadores evangélicos, alguns deles pastores, que, com galhardia e independência, impedem o avanço de projetos contrários à família, como a ideologia de gênero, a lei da mordaça, o aborto, entre outras tantas depravações. Daí o ódio mefistofélico dos fautores de determinada “arte”, covardemente empenhados em profligar a reputação dos evangélicos.

Boa parte da mídia, já há algum tempo, envida todos os esforços por enxovalhar a família tradicional. Observe-se que na novela em exame não há sequer um único casamento nos moldes padrões, encontradiço majoritariamente na sociedade brasileira, com um genitor, uma genitora e filhos, todos se amando e se respeitando mutuamente, enfrentando juntos as agruras do dia a dia. Pergunta-se: essa pseudoarte imita a vida? É claro que não. O perigo é que telespectadores incautos passem a emular essa “arte” de quinta categoria.

A porfia travada garbosamente pelos políticos evangélicos no parlamento nacional, em defesa da moral cristã e dos bons costumes, é também tarefa a ser assumida pelos parlamentares católicos, porquanto igualmente ao catolicismo-cristianismo repugna toda sorte de malvadezas que uma minoria deseja instilar nas instituições jurídicas deste país.

Fonte: Zenit

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s