Precisa-se de Padres: últimas cifras revelam crescimento da Igreja no mundo e urgente necessidade de clérigos

image

Uma nova investigação sobre tendências na Igreja no mundo demonstrou que a população católica mundial está crescendo tão rapidamente que o número de sacerdotes e paróquias simplesmente já não é o suficiente.

Esta realidade expõe um desafio: com um crescimento global no número de católicos, especialmente na África e Ásia, mas com um crescimento insuficiente no número de paróquias e sacerdotes, os católicos têm menos oportunidades de receberem os sacramentos e de participarem da vida paroquial.

“A Igreja ainda enfrenta um problema global do século XXI, relacionado ao compromisso permanente dos católicos com a paróquia e a vida sacramental”, assinala a investigação realizado pelo Centro de Investigação Aplicada no Apostolado (CARA, na sigla em inglês) da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos.

A investigação intitulada Global Catholicism (Catolicismo global) recolheu estatísticas do Vaticano e outras pesquisas a partir de 1980, para indagar sobre os lugares nos quais a Igreja Católica cresceu ou diminuiu a nível paroquial e para divulgar os dados demográficos para a Igreja nas próximas décadas.

A investigação assinala que “este crescimento foi analisado a nível paroquial, pois em última instância a paróquia é o “tijolo e o cimento” da Igreja, a partir do qual os católicos recebem os sacramentos, relacionam-se com outros fiéis e levam uma vida de fé ativa.

A investigação destacou o crescimento no número de católicos, sacerdotes, religiosos, paróquias, recepção dos sacramentos, seminaristas e instituições católicas, como hospitais e escolas em cinco regiões: África, Ásia, Europa, Oceania e América.

A conclusão geral do relatório aponta a que a Igreja está em meio de um “dramático realinhamento”. Experimenta uma diminuição do número de católicos no centro histórico da Europa, depois passa por uma desaceleração na América e na Oceania, mas seu auge está concentrado na Ásia e na África.

Também é projetado um deslocamento católico longe dos centros tradicionais da Europa e da América para o “Sul Global”, majoritariamente aos países em vias de desenvolvimento, nos quais se incluem América Central e América do Sul, África subsaariana, Oriente Médio, Ásia do Sul, Oceania e grande parte do Extremo Oriente.

Em entrevista com o Grupo ACI, o Dr. Mark Gray, grande investigador associado ao CARA, explicou as implicações desta mudança.

Um problema destacado pela pesquisa é que a maioria das paróquias do mundo ainda está localizada na Europa e na América, lugares no qual a Igreja experimenta um declive ou estancamento populacional. O mundo em vias de desenvolvimento está somando mais católicos, mas não existem suficientes paróquias para servi-los.

“Existem paróquias lindas” na Europa, afirmou Gray. “Não podemos pegá-las e mudá-las de lugar de um lado do mundo a outro tão facilmente. Desse modo, em um lugar a Igreja vai ter que fechar paróquias e em outro vai ter que construir muitíssimas, além de ter que encontrar a maneira de organizar seu clero”.

Outra descoberta aponta que os católicos estão participando menos na Igreja à medida que ficam mais velhos, o que se observa claramente nas taxas de participação sacramental.

Em todas as regiões, o número de batismos infantis a cada mil católicos é maior que o número de primeiras comunhões, o qual supera o número de crismas e está acima do número de matrimônios celebrados dentro da Igreja.

Embora fosse inegável em regiões como a Europa, onde existe uma baixa geral de números de sacerdotes e religiosos, isto também acontece nas demais regiões, onde o número de membros da Igreja está em crescimento.

A América tem uma taxa de assistência à Missae um número de matrimônios por cada mil católicos inferiores à Europa, apesar de a população católica no “continente da esperança” ser cada vez maior. Gray sublinhou que estes resultados ainda devem ser analisados.

Por outro lado, o número de sacerdotes, religiosos e religiosas diminuiu na América desde a década de 1980, apesar de o número de católicos e sacerdotes diocesanos ter aumentado nesta região.

Inclusive na África, continente que possui o mais alto crescimento da Igreja, existe uma forte queda na participação sacramental do batismoao matrimônio. A taxa de matrimônio é, na realidade, muito pequena tanto na África como na América.

Isto pode explicar-se devido à rapidez do crescimento demográfico que supera rapidamente o crescimento das suas paróquias. Pois este continente é o líder mundial com mais de 13 mil católicos por paróquia.

“Na África, mais do que em qualquer outro lugar, a Igreja precisa estudar a possibilidade de que alguns renunciem ou atrasem a atividade sacramental devido à falta de acesso à uma paróquia próxima”, sustenta o relatório do CARA.

A Ásia, entretanto, lidera a participação sacramental e supera todas as outras regiões nas taxas de primeiras comunhões, crismas e matrimônios.

“Algo que acontece na Ásia é evidente. Pois a tendência deste continente é oposta as demais regiões”, assinalou Gray, que adicionou que os líderes católicos deveriam prestar atenção ao que está acontecendo ali.

Com exceção da China continental, região da qual o Vaticano não proporcionou dados, a população católica na Ásia aumentou em aproximadamente 63% desde 1980. Em geral, a assistência à Missa também diminuiu significativamente, embora alguns países asiáticos reportaram uma assistência à Celebração Eucarística mais alta do que nos outros.

O número de sacerdotes diocesanos aumentou em mais do que dobro na Ásia desde 1980 e o número tanto de sacerdotes, como de religiosos e religiosas, aumentou quase o dobro, durante este período.

Quais são as consequências de existirem poucos sacerdotes, religiosos e paróquias para responderem ao crescimento global dos católicos no mundo todo?

Em alguns lugares, o fenômeno de fechamentos e consolidações de comunidades paroquiais tiveram como consequência a existência de “grandes paróquias”. Sobretudo na Europa e na América do Norte, onde isto já acontece. Gray explicou que o resultado poderia ser uma crise da comunidade, nas quais muitos católicos experimentam o “anonimato” em meio a tantos paroquianos.

Estes católicos “anônimos” estariam menos entusiasmados na participação da vida paroquial: doariam e participariam menos nos sacramentos e trariam cada vez menos vezes os seus filhos à Igreja.

Particularmente, isto é mais difícil para a Europa e para a América do Norte, assinalou Gray, porque historicamente estas regiões eram bem atendidas com paróquias e sacerdotes e estão acostumados a terem comunidades locais menores ao invés de grandes paróquias missionárias.

Agora, as paróquias não seriam somente maiores, como também os sacerdotes serviriam a diversas paróquias, deixando os católicos com menos oportunidades para relacionar-se com seu pároco.

“Por muito tempo as pessoas esperavam ir à sua paróquia local quando quisessem, batiam na porta e lhes abria um sacerdote. Especialmente quando alguém estava muito doente”, recordou Gray. Agora isto parece ser difícil.

A Europa vai ter uma diminuição de cinco por cento no tamanho da sua população católica até 2050, prediz o relatório, mas é impressionante que o número de sacerdotes diocesanos e religiosos com votos tenha diminuído em cerca de 40% desde 1980, assim como diminuiu o número total de paróquias.

Por conseguinte, sacerdotes de outros continentes, como por exemplo a África, tiveram que   transladar-se para servir os católicos da Europa e da América. Isto põe uma pressão adicional sobre a Igreja na África, onde o crescimento significativo nas paróquias, sacerdotes e religiosos ainda não consegue responder ao maior auge da sua população católica.

“Enquanto alguns sacerdotes africanos servem internacionalmente em paróquias do mundo inteiro, isto pode chegar a ser mais difícil nas próximas décadas, pois existem necessidades mais urgentes no próprio continente”, assinala o relatório.

Das regiões incluídas no relatório, a África experimentou o maior aumento de católicos por paróquia desde 1980, passaram de 8.193 católicos por paróquia em 1980 a 13.050 em 2012.

Apesar de o número de sacerdotes e paróquias na África subirem mais de 100% durante este período de tempo, o número de católicos cresceu em 238%, o que aumenta a proporção entre o número de católicos e o número de sacerdotes e religiosos.

Segundo estas investigações, o esplendor católico pelo qual está passando o continente é uma consequência do auge da sua população, pois as taxas de fertilidade em qualquer região estão relacionadas diretamente com a vitalidade da Igreja nessa zona.

Quando a taxa de fecundidade está abaixo do nível de substituição de 2,1 filhos por casal – como acontece na maioria dos países europeus – a Igreja está numa situação complexa.

Quando a taxa de fecundidade é mais alta e está acima da taxa de substituição – como na África subsaariana com um 5,15 – a Igreja está crescendo rapidamente.

E quando a taxa de fecundidade se aproxima do nível da taxa de substituição – como na América Latina e no Caribe, onde diminuiu de 4,2 em 1980 a 2,18 em 2012 – o crescimento da Igreja está em desaceleração.

A explicação do Dr. Mark Gray para isto é simples: menos nascimentos “significa eventualmente um menor número de batismos, primeiras comunhões, menos matrimônios e populações menores”.

Via ACI Digital

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s