Você é um pagão batizado, mais conhecido como um Católico não praticante?

Você não pode ser o que não pratica. A imagem quer dizer que não existe católico praticante ou não praticante, ou seja, nao existe rótulos, ou você é simplesmente um católico verdadeiro ou somente pagão batizado.. Mas seguindo essa padrão conhecido, Ser praticante é muito mais que ir à Missa, rezar e ir à Igreja…São muitas as vezes que escutamos alguém dizer que é “católico praticante” ou também: “sou católico, mas não praticante”. Me pus a pensar nestas frases tão faladas e tentando ver o que na verdade se quer dizer com a afirmação de pagão batizado, mais conhecido como “católico não praticante”.

Você não pode ser o que não pratica. A imagem quer dizer que não existe católico praticante ou não praticante, ou seja, nao existe rótulos, ou você é simplesmente um católico verdadeiro ou somente pagão batizado.. Mas seguindo essa padrão conhecido, Ser praticante é muito mais que ir à Missa, rezar e ir à Igreja…São muitas as vezes que escutamos alguém dizer que é “católico praticante” ou também: “sou católico, mas não praticante”. Me pus a pensar nestas frases tão faladas e tentando ver o que na verdade se quer dizer com a afirmação de pagão batizado, mais conhecido como “católico não praticante”.
QUANDO, NUM encontro social, a conversa gira em torno de assuntos religiosos, é bem comum ver alguém declarar, com a maior naturalidade: “Sou católico não praticante”…
Interessante é que a maioria parece achar muito normal e lógica essa afirmação, que raramente é contestada. Dias depois, numa outra oportunidade, numa outra conversa, é possível que alguém volte a fazer a mesma afirmação, e todos continuam achando tudo muito normal e lógico. Entretanto, perguntamos nós, como poderia alguém “ser” e, ao mesmo tempo, não “praticar”?
Essa ideia de que se pode acreditar na Igreja, – e mais além e mais importante, considerar-se membro desta Igreja, – sem colocar em prática a sua fé, infelizmente, é tão comum que já se tornou a mentalidade predominante em muitos ambientes.

A justificativa de tal comportamento varia de pessoa para pessoa: existem aqueles que deixaram de lado a prática religiosa devido à decepção com algum líder ou administrador de sua comunidade: talvez o padre tenha feito ou dito alguma coisa que aquela pessoa não gostou, e pronto: já é motivo para abandonar a Igreja de Jesus Cristo, a vida de oração comum, as práticas, o aprendizado, a convivência com os irmãos de fé, os Sacramentos, a Comunhão no Corpo do Senhor… Simplesmente viram as costas e vão-se embora, sem mais.

Alguns outros, meio sem perceber, vão abandonando pouco a pouco a vida de fé: deixam de ir à Missa um dia, depois outro… Quando percebem, não estão  indo mais à igreja, nem aos domingos e dias de preceito. Depois, vão deixando de rezar com regularidade, deixando de ler a Bíblia Sagrada e, quando notam, já organizaram suas vidas de tal maneira que nelas não há mais espaço para Deus. Quando alguém pergunta sua religião, geralmente ainda se declaram católicos, mas realmente não se importam muito com isso.
Outros ainda possuem um conhecimento tão superficial de sua religião que, para eles, qualquer notícia ou acontecimento que não possam compreender já é motivo de escândalo: sem reflexão, sem pudor e sem amor, simplesmente renegam a fé. Quando alguém critica a Igreja, muitas vezes, essas pessoas ajudam a criticar, ao invés de tentarem defendê-la ou buscar a informação segura sobre a quele assunto específico. Lembram-se que existe a Igreja apenas em ocasiões específicas e esporádicas, como a celebração de um batizado, o casamento de algum parente ou a Missa de falecimento ou de sétimo dia de algum amigo querido. Para estes, é como se a Igreja fosse apenas um lugar para reuniões sociais, festivas ou tristes. É uma fé de aparência e nada mais.
Algumas pessoas também deixam a prática religiosa com o argumento de que não gostam de normas, ritos e cerimônias, que eles veem como elementos de uma religião ultrapassada, antiga e antiquada: preferem inventar a sua própria religião, para si mesmos, do “seu jeito”. Não querem saber de “dogmas”, e gostam de dizê-lo, – embora, na realidade, não saibam exatamente o significado e o sentido dessa palavra… – Esquecem-se de que somos humanos, e não anjos elevados: os anjos não precisam de gestos, sinais e nem mesmo de palavras para se relacionar com Deus, pois são seres espirituais. Nós, ao contrário, precisamos destes recursos, ao menos como meios de comunicação.
†   †   †

A Fé nos torna participantes da Família de Deus e membros da Igreja, e é através dela que seguimos o Caminho da Salvação, que é Jesus Cristo. Nossa Família cristã, a Igreja do Senhor, tem uma história de dois milênios, riquíssimas tradições e belíssima Liturgia, que se refletem nas belas celebrações. Pode ser que algumas pessoas não as entendam, mas, antes de simplesmente ignorá-las, ou pior, criticá-las, seria mais inteligente procurar conhecê-las, entender as suas origens e significados e tentar conhecer os seus valores.

O principal, muitas vezes, é invisível aos olhos, mas se manifesta através do visível, do palpável, do sensível aos sentidos físicos. O próprio Cristo, mesmo sendo Deus, ao assumir natureza humana observou os ritos e respeitou as normas religiosas: foi batizado, passou noites em oração, foi ao Templo de Jerusalém, ia as sinagogas, lia as Escrituras…

É hipocrisia dizer que se tem fé e não demonstrá-la nos gestos, nas atitudes, nas posturas diante da vida, e também nas práticas religiosas. A fé e o modo de vida não vivem separados. A Bíblia é radical e diz, com toda a clareza, que a fé sem obras é morta (Tg 2,14-26).
Conta-se que certo empresário muito rico, mesmo sendo ateu, em viagem à Índia fez questão de ir conhecer Madre Teresa de Calcutá: ele tinha admiração pelo seu despojamento, coragem e obra. Chegando à casa das missionárias, onde Madre Teresa vivia, encontrou-a em meio a um mar de crianças miseráveis, muitas doentes, num quadro desolador. Viu uma velha senhora, que poderia estar descansando e aproveitando tranquilamente seus últimos anos de vida, sacrificando-se, literalmente, pelo bem do próximo.

Comovido, este homem aproximou-se e se apresentou, declarando sua admiração pela religiosa. Madre Teresa foi gentil, mas não deixou de fazer o seu trabalho. Os dois conversaram por alguns minutos, até que e o rico empresário, prestando atenção ao grande crucifixo pendurado ao pescoço de Madre Teresa, comentou: “Admiro muito o seu trabalho e o seu exemplo de vida, mesmo não acreditando neste símbolo que a senhora usa”.

Ouvindo isso, Madre Teresa respondeu: “Meu filho, tudo que eu sou e faço, todas as coisas pelas quais você me admira… É tudo por causa do que este símbolo representa. Se não fosse pela minha fé e amor a Jesus Cristo Crucificado e Ressuscitado, você nem saberia que eu existo!”…

Penso na verdade, que ser Católico praticante, é muito mais que ir á Missa, rezar, ir à Igreja, tudo no qual é necessário para poder encontrar o alimento e a força para depois na minha vida cotidiana, poder levar a pratica essa fé que tenho.

Por tanto, ser praticante, creio que é demonstra-lo em cada momento de minha vida, quando posso ir à Igreja, mas acima de tudo, em minhas tarefas habituais, na minha família, no meu trabalho, no meu estudo, no meu lazer, no meu descanso. Sabemos que de nada vale nossa presença em um templo se logo depois minha vida segue um caminho totalmente diferente.

Ser praticante é levar uma vida o mais coerente possível com a fé que professo, e que definitiva é a minha busca em imitar Jesus, que é a Revelação de Deus a quem devemos seguir.

Devemos mostrar com nossas atitudes em cada momento que Jesus é o centro de nossa vida, que pertencemos a Igreja que Ele fundou e que o feito de sermos praticantes não deve ficar na repetição de determinados ritos, em cumprir algumas prescrições ou em ir a determinados lugares, onde sem duvidas não nos custara tanto viver esses momentos como pessoas de Fé.

Vemos e escutamos muitos exibirem seus “títulos” de católicos, mas muito mais que isso, se deveria pensar em cada atitude que temos, se nossas decisões, se nossas palavras, se nossos gestos são de pessoas que pertencem a Igreja Católica, ou muitas vezes não são mais que “títulos vazios” com os quais inclusive pretendemos ficar tranquilos com eles em nossa consciência.

Hoje, mais do que nunca, é necessário o testemunho dos Católicos, daqueles que em cada momento de sua vida, em cada lugar que estão, na vivencia de sua responsabilidade e obrigações, mostram aos demais que é possível viver de acordo com a fé que tem. Então sim, tenho certeza, que poderemos dizer que existem “Católicos praticantes”.

Se você que lê este artigo tem uma “fé morna”, que não se reflete concretamente na sua vida prática, lembre-se deste exemplo de Madre Teresa. É assim que os santos nos ajudam: talvez mais do que pedindo por nós a Deus, no Céu, pelo seu exemplo de vida.

Leia mais: http://www.afecatolica.com/news/catolico-praticante/

Via: Católicos Na Biblia

Anúncios

LEIA ANTES: os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição de "Kerigma, A Proclamação da Palavra". Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. O espaço para comentários é encerrado automaticamente após quinze dias de publicação do post.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s