Estado Islâmico sequestra 230 pessoas na Síria, entre eles 60 cristãos

Aproximadamente 230 pessoas, entre elas 60 cristãos, foram sequestradas em um novo ataque dos terroristas do Estado Islâmico (ISIS) em Al Quaryatayn, região localizada na zona central da Síria. Este ataque ocorreu no dia 06 de agosto.

Conforme informou o Observatório Sírio de Direitos Humanos, o paradeiro destes novos reféns dos muçulmanos é desconhecido. Neste grupo estão 19 menores e 45 mulheres, os quais foram capturados no monastério de Mar Elian, cujo abade, Jack Murem, foi sequestrado há dois meses por homens armados não identificados.

De acordo ao jornal britânico The Catholic Herald, foi publicada uma lista na qual poderia estar os nomes dos sequestrados cristãos.

A respeito deste novo sequestro, o Patriarca daIgreja Sírio-Católica, Ignace Youssif III Younan, assinalou a Rádio Vaticano: “não falamos de etnias porque somos iguais aos muçulmanos da Síria. Isto é uma ‘limpeza’ religiosa! ”.

O Prelado disse que os líderes sírios não estão interessados em defender as minorias: “não querem saber de nada. Não lhes importa a liberdade religiosa destas comunidades que conseguiram sobreviver por muitos séculos, apesar dos ataques contra o Evangelho. Isto é uma ‘limpeza’ religiosa! Nós não queremos isto! ”.

“Tudo o que está acontecendo é por culpa dos governantes maquiavélicos, pois somente estão procurando oportunidades econômicas e pensam que se a nós – sem defesas e inocentes – podemos ficar, pois fiquemos e, em todo caso, aqueles que não quiserem ficar que saiam pelo mar”.  

Em seguida, o Patriarca questionou: “como o Estado Islâmico conseguiu chegar lá, como conseguiu penetrar em Al Quaryatayn, cidade na qual o exército estava presente? ”.

“Os próprios habitantes, os (muçulmanos) sunitas, estão a favor destes terroristas e também esperavam o momento para atacar os soldados”.

Este sequestro ocorreu no dia 6 de agosto, um ano e um dia depois da invasão na cidade de Qaraqosh, da qual fugiram mais de 120 mil cristãos e como consequência desta invasão, a planície do Nínive ficou sem população cristã, fazendo com que a sua maioria deles busque refúgio em Erbil, na região curda do Iraque

Via ACI Digital