Não existe isso de brincar inocentemente com o demônio

Charlie Charlie Challenge: o que um católico precisa saber. O jogo pode parecer uma brincadeira, mas é muito perigoso invocar o demônio.

Em uma carta aberta aos alunos da escola Ss. Neumann and Goretti High School, na Filadélfia (Estados Unidos), o Pe. Stephen McCarthy advertiu os jovens sobre o perigo de participar do popular jogo Charlie Charlie Challenge.

Charlie Charlie Challenge é um jogo que se tornou popular mediante as redes sociais; nele, dois lápis são colocados em forma de cruz, escreve-se “yes” e “no” em cada quadro e se invoca Charlie, um suposto espírito mexicano.

O Pe. McCarthy explica em sua carta: “Um jogo perigoso circula nas redes sociais, convidando abertamente os jovens a invocar o demônio. Quero lhes recordar que não é possível brincar ‘inocentemente’ com o demônio“.

“Por favor, não participem disso e alertem seus conhecidos, para que também evitem a participação”, exorta o sacerdote.

“O problema de abrir-se à atividade demoníaca é precisamente este: abrir uma porta a inúmeras possibilidades, e tal porta dificilmente se fechará depois.”

O padre faz um convite final: se você busca uma experiência com o sobrenatural, participe de uma missa católica.

Via Aleteia
Anúncios

* ‘Charlie-Charlie’: Atenção jovens, nem de brincadeira se deve “invocar espíritos”. Você brinca, eles não!

Embora o tom seja predominantemente de brincadeira (basta vê vídeo abaixo) o assunto é sério e preocupante.

Não se deve brincar com isso pois os demônios, seres reais e não míticos, não brincam NUNCA. Nossa inocência e descompromisso não é capaz de nos defender se ‘brincarmos’ com o mal.

As sagradas escrituras condenam a invocação dos mortos ( Necromancia) e a doutrina da Igreja reafirma essa orientação.

Nos vídeos, o Lápis se mexe pela gravidade ou outros fenômenos naturais. O que assusta não o lápis mexer, mas a quantidade de jovens que assumem a possibilidade de respostas do além para questões de sua humanidade e a inocência sobre o Demônio como um ser real, embora pelo senso comum, percebam que essa ação “sobrenatural” não tem Deus por origem já que se assustam quando o fenômeno acontece.

Melhor não mexer com fogo, melhor EVOCAR a Deus em Jesus Cristo e não INVOCAR o mal. Jamais!

***

Em uma carta aberta aos alunos da escola Ss. Neumann and Goretti High School, na Filadélfia (Estados Unidos), o Pe. Stephen McCarthy advertiu os jovens sobre o perigo de participar do popular jogo Charlie Charlie Challenge.

Charlie Charlie Challenge é um jogo que se tornou popular mediante as redes sociais; nele, dois lápis são colocados em forma de cruz, escreve-se “yes” e “no” em cada quadro e se invoca Charlie, um suposto espírito mexicano.

O Pe. McCarthy explica em sua carta: “Um jogo perigoso circula nas redes sociais, convidando abertamente os jovens a invocar o demônio. Quero lhes recordar que não é possível brincar ‘inocentemente’ com o demônio“.

“Por favor, não participem disso e alertem seus conhecidos, para que também evitem a participação”, exorta o sacerdote.

“O problema de abrir-se à atividade demoníaca é precisamente este: abrir uma porta a inúmeras possibilidades, e tal porta dificilmente se fechará depois.”

O padre faz um convite final: se você busca uma experiência com o sobrenatural, participe de uma missa católica.

***

Nos últimos dias, um “jogo de invocação de espíritos” denominado “Charlie Charlie”, foi espalhado nas redes sociais, que para alguns seria uma versão simplificada da ‘Ouija’ ou ‘Jogo do Copo’.  Milhões de jovens em todo mundo asseguram tê-lo praticado e existe uma grande preocupação pelo mencionado risco de possessão demoníaca àquela pessoa que se expõe ou a quem o realiza, adverte um conhecido exorcista espanhol.

O ‘jogo da última moda’ –conforme o descrevem seus difusores nas redes sociais- consiste em um par de lápis ou canetas, um papel e a invocação de um espírito chamado “Charlie” que responde com ‘sim’ ou ‘não’ as perguntas que lhe fazem.

Consultado pelo Grupo ACI no dia 27 de maio, o famoso exorcista espanhol José Antonio Fortea advertiu: “O chamado ‘#CharlieCharlieChallenge’ presume uma ‘invocação de espíritos’ e alguns espíritos, como resultado dessa prática, perseguirão àqueles que a realizem”.

Embora Fortea considere que por jogar os jovens não venham necessariamente “a serem possuídos”, o espírito invocado “ficará ao redor destas pessoas por um tempo”.

Além disso, advertiu: “A prática deste conhecido jogo fará que outros queiram introduzir-se numa comunicação mais frequente. E deste modo a pessoa pode sofrer consequências muito piores dos demônios”, concluiu o exorcista Fortea.

***

Uma nova ‘brincadeira’ tem se espalhado pelas redes sociais. Jovens invocam demônios para responder dúvidas comuns e compartilham as respostas com os amigos. 

Quem tem mais de 20 anos vai se lembrar da ‘brincadeira’ do compasso onde um ‘espírito era invocado’ para dar respostas em uma folha de papel, podendo falar sobre inúmeros temas respondendo sim ou não ou apontando para números.

Outro jogo semelhante que levantou muitos debates no Brasil e no mundo é a brincadeira do copo, onde um  espírito também dava respostas como Sim, Não, Sair e a apontava para os números de 0 a 9 e para as letras do alfabeto que eram registradas em um tabuleiro.

Agora a moda é invocar o demônio “Charles” cruzando dois lápis e escrevendo na folha não, sim, sim e não. Ao invocar o espírito e fazer a pergunta o lápis se move e dá a resposta que o jogador está pedindo.

O jogo ganhou adeptos em diversas partes do mundo e um vídeo postado no Youtube mostra vídeos publicados em redes sociais revelando os resultados das perguntas e a reação dos participantes.

Até crianças brincam com o espírito e muitas se assustam e saem correndo ao verem os lápis se movendo. Outras pessoas encaram como uma piada e brincam sobre jogar e provocar o suposto demônio.

Fonte: Revista Galileu

Via Com. Shalom

São Pio de Pietrelcina

1487270_586189171456780_776161359_nEste digníssimo seguidor de S. Francisco de Assis nasceu no dia 25 de maio de 1887 em Pietrelcina (Itália). Seu nome verdadeiro era Francesco Forgione. Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, os quais via constantemente devido à grande familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu Anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho. Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu Anjo da Guarda estreitando assim a intimidade dos fiéis para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da Igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário. Com quinze anos de idade entrou no Noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Morcone, adotando o nome de “Frei Pio” e foi ordenado sacerdote em 10 de agosto de 1910 na Arquidiocese de Benevento.

 

Após a ordenação, Padre Pio precisou ficar com sua família até 1916, por motivos de saúde e, em setembro desse mesmo ano, foi enviado para o convento de São Giovanni Rotondo, onde permaneceu até o dia de sua morte. Abrasado pelo amor de Deus, marcado pelo sofrimento e profundamente imerso nas realidades sobrenaturais, Padre Pio recebeu os estigmas, sinais da Paixão de Jesus Cristo, em seu próprio corpo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por meio desse sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiéis e libertá-los das garras do demônio, conhecido por ele como “barba azul”. Torturado, tentado e testado muitas vezes pelo maligno, esse grande santo sabia muito da sua astúcia no afã de desviar os filhos de Deus do caminho da fé. Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de construir um grande hospital, conhecido como “Casa Alívio do Sofrimento”, que se tornou uma referência em toda a Europa.

 

A fundação deste hospital se deu a 5 de maio de 1956. Devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, Padre Pio cria os grupos de oração, verdadeiras células catalisadoras do amor e da paz de Deus, para serem instrumentos dessas virtudes no mundo que sofria e angustiava-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos. Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração, Padre Pio celebrou uma Missa nesta intenção. Essa Celebração Eucarística foi o caminho para o seu Calvário definitivo, na qual entregaria a alma e o corpo ao seu grande Amor: Nosso Senhor Jesus Cristo; e a última vez em que os seus filhos espirituais veriam a quem tanto amavam. Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descansa em paz aquele que tinha abraçado a Cruz de Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu. Foi beatificado no dia 2 de maio de 1999 pelo Papa João Paulo II e canonizado no dia 16 de junho de 2002 também pelo saudoso Pontífice.

 

Padre Pio dizia: “Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar!” São Pio de Pietrelcina, rogai por nós!