“Deus nos salvou dos monstros do Estado Islâmico”, narra refugiada no Iraque

Início » Notícias » Mundo

“Deus nos salvou dos monstros do Estado Islâmico”, narra refugiada no Iraque

Por Blanca Ruiz

88318

 

MADRI, 09 Set. 15 / 08:00 am (ACI).- A plataforma MásLibres.org, entidade que defende a liberdade religiosa dos cristãos onde eles são perseguidos, esteve durante os últimos quinze dias no Curdistão iraquiano. Além de trabalhar ajudando os refugiados, também produziram diversos vídeos através dos quais mostram a realidade destas pessoas obrigadas a deixar tudo para evitar a morte nas mãos do Estado Islâmico.

Este foi o caso de Waffa, uma jovem que, apesar de ter perdido tudo, agradece a Deus porque ela e sua família saíram vivos depois da fuga. “Dou graças a Deus porque o ISIS não assassinou as nossas crianças, nenhum dos nossos filhos ou os homens”. “Deus nos salvou daqueles monstros”.

Os doze voluntários espanhóis da plataforma MásLibres.org, voltam a Madri depois de conviver no Curdistão iraquiano com refugiados perseguidos pelo Estado Islâmico. Segundo afirmaram a situação “é devastadora e clama por uma solução que permita retornar aos seus lugares de origem”.

Em um dos vídeos feitos por maislibres.org, Waffa nos dá seu testemunho, a jovem é uma das muitas refugiadas cujos voluntários do projeto #CampamentoIrak estiveram durante estes dias.

“Não quero ir embora do meu Iraque, porque amo o meu país. Inclusive passando por estes momentos tão ruins, muito difíceis para todos, quero voltar para minha cidade. Mas sei que se retornamos será muito difícil, porque nossos povos e provavelmente muitas casas foram destruídas; terão saqueado nossos pertences, mas começaremos uma nova vida e trabalharemos para levantar nossos povoados”, afirmou a jovem que foi obrigada a fugir da cidade de Qaraqosh.

Posteriormente passou por Kirkuk e por Erbil, e finalmente reencontrou-se com sua família.

Via ACI Digital

Recorde de conversões ao cristianismo entre os muçulmanos que chegam à Europa

image

Além das ondas históricas de refugiados do Oriente Médio e da África que chegam à Europa, o velho continente parece estar vivendo outra onda, menos midiática, mas também chamativa: a das conversões de muçulmanos ao cristianismo.

A agência de notícias Associated Press visitou em Berlim uma igreja evangélica da qual participam “centenas de requerentes de asilo, em sua maioria iranianos e afegãos”.

“Não há como fazer vista grossa para o fato de essa decisão aumentar as suas chances de conseguir asilo: eles podem alegar que sofreriam perseguição religiosa em seus países de origem”, observou a agência, salientando ainda que a Alemanha trata os refugiados de acordo com a gravidade da situação que os obrigou a deixar sua pátria: os que fogem da guerra civil na Síria, por exemplo, têm chance maior de obter asilo. “Já para os requerentes vindos do Irã e do Afeganistão a situação é mais complicada, porque as condições de vida nesses países é mais estável do que na Síria”, diz a AP. Nos últimos anos, cerca de 40% a 50% dos emigrantes desses dois países foram autorizados a permanecer na Alemanha, muitos deles com permissão apenas temporária.

Acontece que as chances dos afegãos e dos iranianos aumentam quando eles convencem as autoridades alemãs de que seriam perseguidos em sua terra natal, onde a conversão do islamismo para o cristianismo pode ser punida com a prisão e até com a morte.

Para Gottfried Martens, pastor da Igreja da Trindade, a motivação não é o mais importante: “Muitos deles são atraídos pela mensagem cristã, que muda a sua vida”, diz ele, estimando que apenas 10% dos convertidos não voltam mais para a igreja depois de batizados. “Eu sei que há pessoas que vêm aqui só pela tentativa de conseguir asilo”, disse Martens. “Mas eu os convido a se juntarem a nós porque sei que aqueles que vêm aqui não vão sair iguais”.

A igreja do pastor Martens ganhou fama: ele batiza muçulmanos após três meses de catequese e os ajuda com os pedidos de asilo. Sua congregação cresceu de 150 membros, dois anos atrás, para mais de 600 hoje, com um fluxo aparentemente interminável de novos refugiados. Martens conta que há pelo menos mais 80 pessoas, a maior parte delas do Irã e alguns do Afeganistão, esperando para ser batizadas.

Por outro lado, uma jovem iraniana entrevistada pela agência se declarou convencida de que a maioria dos seus conterrâneos só entrou nessa igreja para aumentar as chances de asilo. Outro iraniano, Vesam Heydari, afirma que “essas pessoas estão tornando muito mais difícil o asilo para os cristãos de verdade, que são perseguidos de verdade”. Ele próprio chegou à Alemanha depois de não conseguir o status de refugiado na Noruega, onde tinha se convertido em 2009. “A maioria dos iranianos aqui não está se convertendo. Eles só querem ficar na Alemanha”, completa ele.

Outras comunidades cristãs do país, entre elas algumas igrejas luteranas em Hannover e na Renânia, também relataram um número crescente de iranianos “se convertendo” ao cristianismo, segundo a AP.

A agência federal alemã para refugiados disse não comentar as razões que os candidatos apresentam quando pedem asilo, nem a quantidade de refugiados aceitos na Alemanha com base em perseguição religiosa.

“Qualquer que seja a religião dos migrantes e refugiados, eles devem ser acolhidos como irmãos e irmãs, em vez de serem vistos como um fardo”, afirmou por sua vez o padre Matthew Gardzinski, do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes. Da perspectiva católica, eles devem ser reconhecidos como pessoas “criadas à imagem e semelhança de Deus. Esta é a base da dignidade humana”, enfatizou o sacerdote.

Via ALETEIA

Aylan morreu sem conhecer a paz

image

Há uma pequena chance de que a morte do menino sírio que as ondas levaram a uma praia na Turquia marque o limite máximo do descaso com a maior tragédia humanitária de nosso tempo

Quem poderá afirmar com certeza que Heródoto, o filho mais famoso de Halicarnasso, hoje Bodrum, na Turquia, não tenha chutado distraído em uma caminhada pela praia um dos seixos que cercavam o corpo de Aylan Shenu? Como a injustiça e as guerras, os seixos resistem indiferentes ao passar dos séculos. Heródoto viveu 59 anos no século V a.C. Foi o primeiro a fazer relatos realistas, minuciosos e críticos de eventos da Antiguidade clássica. É chamado de “o pai da história”. Aylan tinha 3 anos. Todos eles vividos sob a guerra civil síria, um conflito do século XXI mais bárbaro e desumano do que os narrados por Heródoto, que tiveram lugar há mais de 2 500 anos, quando inexistiam conceitos como direitos humanos, respeito à vida ou proteção às crianças. Hoje esses conceitos são automaticamente recitados pelos homens públicos. Aylan morreu sem desfrutar nenhum deles.

Há uma pequena chance de que a morte de Aylan seja o marco do limite máximo do descaso com a maior tragédia humanitária de nosso tempo, a dos imigrantes que se lançam ao mar em embarcações precárias depois de perder a própria pátria. O bote de 5 metros de comprimento em que o menino sírio viajava com os pais e o irmão mais velho emborcou a caminho da Ilha de Cos, na Grécia. Eles fugiam dos terroristas do Estado Islâmico, que, em nome da construção de um califado, matam pessoas de todos os credos, torturam e estupram. Fugiam também das forças do ditador Bashar Assad, que bombardeiam o próprio povo com armas químicas. Quando Aylan nasceu, a Síria já estava em guerra civil. Ele morreu sem conhecer a paz.

Somente neste ano, cerca de 2 600 pessoas morreram buscando chegar à Europa pelo mar, dos mais de 300 000 que tentaram a travessia. Nos últimos dias, as multidões atravessando fronteiras com pouco mais do que a roupa do corpo em trens, a pé ou de bicicleta abriram, com a força do maior fluxo de refugiados desde a II Guerra Mundial, fendas nas bem guardadas fronteiras dos países europeus. Os que sobrevivem à travessia não são bem-vindos na Europa. Eles são muitos. São pobres. Muito diferentes. São vistos como ameaça. “Os que estão chegando cresceram em outra religião e representam uma cultura radicalmente diferente. A maioria deles não é cristã, mas muçulmana. A Europa tem uma identidade enraizada no cristianismo”, disse Viktor Orban, o primeiro-ministro húngaro, cujo governo está terminando uma cerca de arame farpado na fronteira de seu país com a Sérvia para impedir a entrada de novos clandestinos. A reação de Orban reflete o sentimento de um número expressivo de moradores da Europa. Os europeus têm boas razões para reagir defensivamente. Os imigrantes não têm alternativa. A situação em que os dois lados de um conflito possuem razões legítimas e lutam para impô-las à força tem o nome de tragédia.

Palco de duas guerras mundiais, revoluções sangrentas e conflitos étnicos recentes, a Europa está cansada de tragédias. Essa é a chance de que a morte de Aylan seja um marco de mudança para melhor na situação dos fugitivos. A chanceler alemã Angela Merkel, com o bom-senso e a determinação que a caracterizam, falou como uma líder: “Se a Europa falhar na questão dos refugiados, essa não será a Europa que sonhamos”. Do cenário de desolação e abandono deixado pela II Guerra Mundial os europeus se reergueram com a ambição de ser a antítese do passado intolerante e sangrento. “A dignidade humana é inviolável. Respeitá-la e protegê-la é dever de toda autoridade do Estado”, lê-se no primeiro artigo da Constituição alemã de 1949.

Via VEJA

Pároco de aldeias no Iraque: Francisco ajuda-nos a encontrar solidariedade

image

“Quando Francisco fala da tragédia dos refugiados, a mídia lhe dá amplo espaço e isto nos ajuda a encontrar finalmente solidariedade, a não cair no esquecimento”, afirma padre Samir.

O drama dos refugiados no Curdistão iraquiano esteve presente na Audiência Geral desta quarta-feira (26) através do testemunho do Padre Samir Yousif, sacerdote caldeu e pároco de cinco vilarejos em Amadiyak, nas montanhas na fronteira com a Turquia. O Papa Francisco – informou o L’Osservatore Romano – fez questão de encontrar o sacerdote pessoalmente, assinalando a ele um lugar na primeira fila, ao lado dos bispos, justamente para confirmar e relançar a sua atenção para o drama vivido pelos cristãos, e não somente, naquela região.

Uma catástrofe apocalíptica

O sacerdote caldeu mostrou ao Pontífice dois álbuns de fotografias para documentar “a catástrofe apocalíptica: vi cenas de dor e desespero inimagináveis, pessoas mortas de fome no meio da rua, relatou ele”. Continuamente “chegavam até nós milhares e milhares de pessoas em fuga, sem nada, escapadas sem ter podido pegar nem mesmo uma roupa ou um documento, para fugir da morte certa”. E assim – explica – “em um momento são apagadas raízes que remontam ao primeiro século cristão, porque nós, cristãos, não somos naquela terra nem hóspedes nem estrangeiros”.

“Na minha paróquia – continuou – fazemos o impossível para acolher os refugiados fugidos da fúria do Estado Islâmico, dando a eles de comer, um teto e garantindo também remédios, ao menos para as primeiras necessidades”. Para fazer isto contamos com a caridade do Papa que por duas vezes o Cardeal Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, nos entregou pessoalmente” e também “com a ajuda da Conferência Episcopal Italiana, da Caritas e de outros organismos” que responderam prontamente aos apelos do Pontífice, a quem “eu disse obrigado pela sua intervenção dirigida à comunidade internacional: a sua voz, podes estar certo, é muito ouvida em todo o mundo árabe”. “Quando Francisco fala da tragédia dos refugiados, a mídia lhe dá amplo espaço e isto nos ajuda a encontrar finalmente solidariedade, a não cair no esquecimento”, assegurou.

Padre Samir, que precedentemente também foi Pároco em Mossul, não perdeu “a esperança de um futuro de paz, reconciliação e justiça, não obstante tudo”. Ademais – precisou – “entre as cinquenta mil pessoas que estamos acolhendo neste momento, não existem somente cristãos de diversas denominações, mas também muçulmanos: a loucura do Isis é somente uma violência cega e não pode ser vencedora”.

Mesmo atingida duramente – avaliou – “a Igreja Caldeia hoje está viva, tendo ficado até mesmo mais forte e unida justamente pela dura prova a que está sendo submetida”; e assim – completou – “não nos falta a esperança de imaginar que um dia, não muito distante, o Papa possa ir nos encontrar na Diocese de Amadiyak e Zaku dos caldeus para nos confirmar na fé e nos encorajar a não termos medo”.

 

Fonte: Rádio Vaticano